Legislação sobre Hanseníase

 

Decreto nº 24.814, de 14 de julho de 1934    

Estabelece, na conformidade do decreto nº 24.438, de 21 de junho ultimo, o plano geral de organização dos serviços de saúde publica e assistência médico social, e dá outras providencias, sem aumento de despesa.

 

Decreto-Lei nº 3.171, de 2 de abril de 1941  

Reorganiza o Departamento Nacional de Saúde, do Ministério Educação e Saúde, e dá outras providências.

 

Decreto nº 15.484, de 8 de maio de 1944   

Aprova o Regimento do Serviço Nacional de Lepra do Departamento Nacional de Saúde.

 

Decreto nº 20.354, de 8 de janeiro de 1946  

Altera disposições do Regimento do Serviço Nacional de Lepra aprovado pelo Decreto nº 15.484, de 8 de maio de 1944.

 

Decreto-Lei nº 9.177, de 15 de abril de 1946  

Dispõe sobre a concessão de gratificação especial de que trata o art. 120, item I, do Decreto-Lei nº 1713, de 28 de outubro de 1939, aos servidores da União em exercício em leprosários.

 

Decreto nº 15.795, de 14 de maio de 1946  

Dá novo regulamento às visitas a doentes de leprosários.

 

Lei nº 610, de 13 de Janeiro de 1949   

Fixa normas para a profilaxia da lepra.

 

LEI Nº 882, DE 21 DE OUTUBRO DE 1949  

Considera de utilidade pública a Liga contra a Lepra do Estado do Pará.

 

Lei nº 909, de 8 de novembro de 1949  

Autoriza a emissão especial de selos em benefício dos filhos sadios dos lázaros.

 

Lei nº 1.426, de 6 de setembro de 1951  

Denomina Sanatórios e Sanatórios-Colônias os leprocômios do Brasil.

 

Lei nº 3.230 de 29 de julho de 1957  

Dispõe sôbre o pagamento de contribuições aos Institutos e Caixas de Aposentadoria por parte dos portadores do mal de Hansen.

 

Lei nº 3.542, de 11 de fevereiro de 1959  

Institui a Campanha Nacional contra a Lepra e dá outras providências.

 

Decreto nº 968, de 7 de maio de 1962  

Baixa Normas Técnicas Especiais para o Combate à Lepra no País e dá outras providências.

 

Lei nº 9.010, de 29 de março de 1995  

Dispõe sobre a terminologia oficial relativa à hanseníase e dá outras providências.

 

Lei nº 11.520, de 18 de setembro de 2007  

Dispõe sobre a concessão de pensão especial às pessoas atingidas pela hanseníase que foram submetidas a isolamento e internação compulsórios.

 

Portaria nº 3.125 de 7 de outubro de 2010  

Aprova as diretrizes para vigilância, atenção e controle da hanseníase.

 

Lei nº 14.289, de 3 de janeiro de 2022  

Torna obrigatória a preservação do sigilo sobre a condição de pessoa que vive com infecção pelos vírus da imunodeficiência humana (HIV) e das hepatites crônicas (HBV e HCV) e de pessoa com hanseníase e com tuberculose, nos casos que estabelece; e altera a Lei nº 6.259, de 30 de outubro de 1975.

 

Imagens: Freepik

Depoimentos orais

Parte dos depoimentos orais disponibilizados abaixo foi produzido no âmbito do projeto “Memória e história da hanseníase no Brasil através de seus depoentes (1960-2000)”, desenvolvido entre 2002 e 2010. Esse projeto teve como um dos produtos um acervo de depoimentos de história oral com personagens que, de alguma forma, fizeram parte da história da hanseníase. São gestores, médicos, enfermeiros, psicológicos ou pacientes e ex-pacientes que foram interrogados a respeito de suas práticas profissionais, o tratamento para a doença, os processos de adoecimento e ser paciente de hanseníase, dentre outros tantos.

Para além deste acervo específico, fazem parte outras entrevistas coletadas em diferentes projetos e iniciativas da Casa de Oswaldo Cruz (COC), uma das unidades técnico-científicas da Fiocruz, cujo tema específico é a hanseníase e/ou lepra e as políticas públicas em diferentes aspectos e contextos e estão sob guarda do Departamento de Arquivo Histórico da COC.

O Departamento de Arquivo e Documentação também atende a pedidos de cessão de uso de documentos. Os serviços devem ser solicitados pela página Consultar arquivos históricos da Fiocruz, no portal Gov.br, e o atendimento é previamente agendado.

 

Depoentes

Abraão Rotberg

  Descrição arquivística         Download da transcrição


Adilson Pereira

  Descrição arquivística         Download da transcrição

 

Agenor Mendes Filho

  Descrição arquivística         Download da transcrição

 

Aguinaldo Gonçalves

  Descrição arquivística         Download da transcrição

 

Antônio Ademar Barahuma Bezerra

  Descrição arquivística         Download da transcrição

 

Antônio Borges Júnior

  Descrição arquivística         Download da transcrição

 

Antônio Pereira da Silva

  Descrição arquivística         Download da transcrição

 

Arnaldo Sobrinho de Moraes

  Descrição arquivística        Download da transcrição

 

Artur Custódio Moreira de Souza

  Descrição arquivística         Download da transcrição

 

Benedito Vieira de Figueiredo

  Descrição arquivística         Download da transcrição

 

Clóvis Lombardi

  Descrição arquivística         Download da transcrição

 

Cristiano Cláudio Torres

  Descrição arquivística

 

Diltor Vladimir Araújo Opromolla

  Descrição arquivística

 

Dora Martins Cypreste

  Descrição arquivística

 

Euzenir Nunes Sarno

  Descrição arquivística

 

Fabíola Aguiar Nunes

  Descrição arquivística

 

Francisca Estrela Dantas Maroja

  Descrição arquivística

 

Fuad Abílio Abdala

  Descrição arquivística

 

Germano Traple

  Descrição arquivística

 

Gerson Fernando Mendes Pereira

  Descrição arquivística

 

Gerson de Oliveira Penna

  Descrição arquivística

 

Hortêncio Maciel

  Descrição arquivística

 

Isabel Bezerra da Silva e Joaquim Ferreira dos Santos

  Descrição arquivística

 

Jair Ferreira

  Descrição arquivística

 

João Batista Dumont

  Descrição arquivística

 

Luis Tranquilino de Lima

  Descrição arquivística

 

Luis Aurélio Alves Orsini

  Descrição arquivística

 

Luiz Marino Bechelli

  Descrição arquivística

 

Lygia Madeira César de Andrade

  Descrição arquivística

 

Marcos da Cunha Lopes Virmond

  Descrição arquivística

 

Maria Ângela Alcalde Torrencilla

  Descrição arquivística

 

Maria da Graça Souza Cunha

  Descrição arquivística

 

Maria Eugênia Noviski Gallo

  Descrição arquivística

 

Maria Leide Wand-Del-Rey de Oliveira

  Descrição arquivística

 

Osmar Mattos

  Descrição arquivística

 

René Garrido Neves

  Descrição arquivística

 

Rubem David Azulay

  Descrição arquivística

 

Silvia Vecellio

  Descrição arquivística

 

Sinésio Talhari

  Descrição arquivística         Download da transcrição

 

Thomas Ferran Frist

  Descrição arquivística

 

Ulrico Frederico da Gama

  Descrição arquivística

 

Vera Lúcia Gomes de Andrade

  Descrição arquivística

 

Wagner Nogueira

  Descrição arquivística

 

Waldemir Soares de Miranda

  Descrição arquivística

 

William John Woods

  Descrição arquivística

 

Zoica Bakirtzief

  Descrição arquivística

 

Imagens: Freepik

Teste

Referências

  • Anais do Nono Congresso Internacional da Lepra, 1968, Londres.
  • Anais do 1.º Congresso Americano de la Lepra. – SBD.
  • Arquivos Mineiros de Leprologia [AML], Ano I, nº 2, Abril de 1941.
  • AML, Ano II, nº 1, Janeiro de 1942.
  • AML, Ano VI, nº 2, Abril de 1946.
  • AML, Ano VII, nº 1, Janeiro de 1947, Noticiário.
  • AML, Ano VII, nº 3, Julho de 1947.
  • AML, Ano VIII, nº 2, Abril de 1948, Noticiário.
  • AML, Ano X, nº 2, Abril de 1950.
  • AML, Ano XII, nº 2, Abril de 1952, Noticiário.
  • AML, Ano XIX, nº 1, Janeiro de 1959.
  • AML, Ano XIX, nº 2, Abril de 1959.
  • AML, Ano XVI, nº 2, Abril de 1956.
  • AML, Ano XVII, nº 1, Janeiro de 1957.
  • AML, Ano XVII, nº 3, Julho de 1957.
  • AML, Ano XX, nº 1, Janeiro de 1960.
  • AML, Ano XX, nº 4, Outubro de 1960, Noticiário.
  • AML, Ano XXII, nº 3, Julho de 1962.
  • Boletim da Divisão Nacional de Dermatologia Sanitária [BDNDS], Ano XXXV, nº 1, 1976.
  • BDNDS, Ano XXXVI, nº 1, 1977, Noticiário.
  • BDNDS, Ano XXXVI, nº 2/4, 1977.
  • BDNDS, Ano XXXVII, nº 1/4, de 1978.
  • BDNDS, Ano XXXVII, nº 1/4, 1978.
  • BDNDS, AnoXXXV, nº 1, 1976.
  • Boletim da Divisão Nacional de Lepra [BDNL], Ano XXIX, nº 3/4, Setembro/Dezembro de 1970.
  • BDNL, Ano XXX, nº 1/2, 1971.
  • BDNL, Ano XXX, nº 3/4, 1971.
  • BDNL, Ano XXXI, nº 1/4, 1972.
  • BDNL, Ano XXXII, nº 1, 1973.
  • BDNL, Ano XXXII, nº 2, 3 e 4, 1973.
  • BDNL, Ano XXXIII, nº 1/4, 1974, Noticiário.
  • BÉRIAC, Françoise. O medo da lepra. IN: LE GOFF, Jacques (apres.). As Doenças Têm História, Lisboa: Terramar, 1985.
  • Boletim do Serviço Nacional de Lepra [BSNL], Ano II, nº 2, Junho de 1943.
  • BSNL, Ano III, nº 1, 1945.
  • BSNL, Ano III, nº 2, Junho de 1944.
  • BSNL, Ano IV, nº 2, Junho de 1945.
  • BSNL, Ano IV, nº 3, Setembro de 1945.
  • BSNL, Ano IV, nº 4, Dezembro de 1945, Noticiário.
  • BSNL, Ano IX, nº 1, Março de 1950.
  • BSNL, Ano V, nº 1, Março de 1946. Noticiário.
  • BSNL, Ano V, nº 2, Junho de 1946.
  • BSNL, Ano VII, nº 4, Dezembro de 1948, pp. 62-79, Noticiário.
  • BSNL, Ano VIII, nº 1, Março de 1949.
  • BSNL, Ano VIII, nº 4. Dezembro de 1949.
  • BSNL, Ano X, nº 3, Setembro de 1951.
  • BSNL, Ano XI, nº 2, Junho de 1952, Noticiário.
  • BSNL, Ano XI, nº 4, Dezembro de 1952, Noticiário.
  • BSNL, Ano XII, nº 2, Junho de 1953.
  • BSNL, Ano XII, nº 3, Setembro de 1953.
  • BSNL, Ano XIII, nº 2, Junho de 1954, Noticiário.
  • BSNL, Ano XIV, nº 1 e 2, Março/Junho de 1955, Noticiário.
  • BSNL, Ano XV, nº 2, Junho de 1956.
  • BSNL, Ano XV, nº 4, Dezembro de 1956, Noticiário.
  • BSNL, Ano XVI, nº 2, Junho de 1957.
  • BSNL, Ano XVII, n 4, Dezembro de 1958, Noticiário.
  • BSNL, Ano XVII, nº 1, Março de 1958.
  • BSNL, Ano XXII, nº 1/2 Janeiro/Junho de 1963.
  • BSNL, Ano XXII, nº 3/4, Julho/Dezembro de 1963, Noticiário,.
  • BSNL, Ano XXIII, nº 1/4, Janeiro/Dezembro de 1964, Noticiário.
  • BSNL, Ano XXIX, nº 1/2, Março/Junho de 1970.
  • BSNL, Ano XXV, nº 1 e 2, Março/Junho de 1966.
  • BSNL, Ano XXVI, nº1/2, Março/Junho de 1967, Noticiário.
  • BSNL, Ano XXVII, nº 3/4, Setembro/Dezembro de 1968.
  • BSNL, Ano XXVIII, nº 1/2, Março/Junho de 1969.
  • DIAS, Ivone Marques. Alguns aspectos sobre a lepra na Idade Média em Portugal. In: RIBEIRO, Maria Eurydice de Barros (org.). A Vida na Idade Média, Brasília: Editora UnB, 1997.
  • Fundo Souza-Araújo [FSA] – Pasta 04 – SA/PI/TP/19480506 – “Campanhas da Solidariedade”.
  • FSA – Pasta 04 – SA/PI/TP/19480506 – “Estatutos da Federação de Assistência aos Lázaros e Defesa contra a Lepra”.
  • FSA – Pasta 04 – SA/PI/TP/19480506 – “Estatutos da Liga contra a Lepra”.
  • FSA – Pasta 04 – SA/PI/TP/19480506 – “Fixação da Federação das Sociedades de Assistência aos Lázaros e Defesa contra a Lepra, no Distrito Federal” in “Campanhas da Solidariedade”.
  • FSA – Pasta 04 – SA/PI/TP/19480506 – “O problema da Lepra em São Paulo” IN: “Boletim da Sociedade de Assistência aos Lázaros e Defesa contra a Lepra, Ano 2, nº. 18, 30 de Setembro de 1930”.
  • FSA – Pasta 04 – SA/PI/TP/19480506 – “Realizações de julho de 35 a julho de 45, segundo o relatório publicado” in “Federação das Sociedades de Assistência aos Lázaros e Defesa contra a Lepra”.
  • FSA, – Pasta 04 – SA/PI/TP/19520414 – “Sinopse da História da Lepra no Brasil 1600 – 1954”.
  • GRMEK, Mirko. L’expansion lente d’un mal endémique: la lépre. In: _____.  Les Maladies a l’aube de la civilisation occidentale, Paris: Payot, 1983.
  • Legislação Federal do Setor Saúde, 1977.
  • SOUZA ARAUJO, H. C., História da Lepra no Brasil. Vol. III. Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa Nacional. 1956.

Linha do tempo da Hanseníase

 

Antiguidade (anterior ao século V)

Entre o III milênio a.C. e o século VIII d.C.: Tratado Nei-King.

Por volta de 1.700 a.C.: Menções no Código de Hamurabi.

Século IV a.C.: Menções no Suçruta e Caraka (manuscritos indianos) acerca de enfermidades semelhantes à lepra.

Século IV a.C.: Menções no Corpus hippocraticum.

Entre os séculos I e III d.C.: Expansão da doença na Europa ocidental com o apogeu do Império Romano.

 

Idade Média (séc. V ao XV)

Séculos IV e V: Fundação dos primeiros leprosários ladrarias no Ocidente medieval, segundo Gregório de Tours.

Século VI (549): Concílio de Órleans: Legisla sobre o uso dos termos “lepra” e “leprosus”.

Século VII (643): Édito de Rotário, rei dos lombardos, acerca dos leprosos.

Século VIII (736): Santo Othmar, do mosteiro de Saint Gall, funda um leprosário.

Séculos VIII e IX: “Pepino, o Breve”, e Carlos Magno reforçam a repressão aos leprosos.

Entre os séculos XI e XIV: Apogeu da endemia no Ocidente medieval. Possível relação com as Cruzadas.

 

Século XVIII

1741: O Governador Gomes Freire, por ordem do Rei, fundou em São Cristóvão, em Fevereiro deste ano, um leprosário, o qual declarou inaugurado em 7 de Agosto e que manteve a sua própria custa até a sua morte em 1º de Janeiro de 1763.

1763: A Irmandade do Santíssimo Sacramento da Candelária assumiu o compromisso de manter o Hospital dos Lázaros de São Cristóvão.

 

Século XIX

1886: Fundação da Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, em 14 de Fevereiro. Promovia, periodicamente, Congressos Médicos no Brasil.

1888: 1º Congresso Brasileiro de Medicina e Cirurgia, no Rio de Janeiro.

1889: 2º Congresso Brasileiro de Medicina e Cirurgia. Não houve debates sobre lepra neste congresso.

1890: 3º Congresso Brasileiro de Medicina e Cirurgia, em Salvador.

1892: Provocada pelo Conselheiro J. L. Cansansão de Sinimbú, houve uma forte polêmica sobre a curabilidade da lepra entre os Drs. Azevedo Lima Diretor do Hospital dos Lázaros e José Lourenço de Magalhães leprólogo.

1897: 1ª Conferência Internacional da Lepra, realizada em Berlim, em Outubro.

1900: 4º Congresso Brasileiro de Medicina e Cirurgia, realizado no Rio de Janeiro, de 17 a 30 de Junho.

 

Século XX

1901-1909

1903: 5º Congresso Brasileiro de Medicina e Cirurgia, no Rio de Janeiro, de 16 de Junho a 02 de Julho.

1904: Em 08 de Março, pelo decreto 5.156 foi reformada a Saúde Pública Federal, elaborada por Oswaldo Cruz, tornando obrigatória a notificação dos leprosos para efeito do seu isolamento domiciliar.

1905: 3º Congresso Scientífico Latino Americano, realizado no Rio de Janeiro, de 6 a 16 de Agosto deste ano.

1907: 6º Congresso Brasileiro de Medicina e Cirurgia, realizado em São Paulo, em Setembro. Neste Congresso foram aprovadas monções sobre a profilaxia da lepra.

1909: 2ª Conferência Internacional da Lepra, em Bergen, Noruega, de 16 a 19 de Agosto.

 

1910-1919

1912: Fundação da Sociedade Brasileira da Dermatologia em 4 de Fevereiro.

1915: Foi criada pelas Sociedades Médicas do Rio de Janeiro a “Comissão de Profilaxia da Lepra”. Os trabalhos desta Comissão duraram de 1915 até 1919.

1916: 1ª Conferência Sul-Americana de Higiene, Microbiologia e Patologia, Buenos Aires, entre os dias 14 e 17 de Setembro.

1916:1.º Congresso Médico Paulista, de 03 a 10 de Dezembro, onde foram sugeridas medidas de profilaxia da lepra. Houve uma tentativa, sem sucesso, de se realizar este congresso no ano de 1878.

1916: Realização do 1.º Congresso Americano da lepra, de 8 à 15 de outubro, Rio de Janeiro.

1917: Fundada, em São Paulo, a Associação Protectora dos Morphéticos, que mais tarde deu origem ao Leprosário de Santo Angelo.

1918: Pelo decreto 13.001 – o chamado ‘decreto de ouro’ – de 03 de Maio, o Presidente Wencesláu Brás criou o “Serviço de Profilaxia”.

1918: VIII Congresso Brasileiro de Medicina, de 12 a 20 de Outubro, no Rio de Janeiro, na nova Faculdade de Medicina da Praia Vermelha.

 

1920-1929

1920: Criação do Departamento Nacional de Saúde Pública, em 2 de Janeiro, pelo Decreto nº 3.987 baixado pelo Presidente Epitácio Pessoa. Este Departamento estará diretamente subordinado ao Ministério da Justiça e Negócios Interiores.

1920: Organização da Inspetoria de Profilaxia da Lepra e Doenças Venéreas, que faz parte do Departamento Nacional de Saúde Pública, pelo decreto nº 14.354 de 15 de Setembro de 1920, pelo Presidente Epitácio Pessoa, que aprovou o novo Regulamento Sanitário Federal.

1921: Realização do 2.º Congresso Sul-Americano de Dermatologia, realizado em Montevidéu, em Outubro. Neste Congresso resolveu-se convocar os países americanos a reunirem-se em uma conferência – a Conferência Americana de Lepra de 1922 – para estudar principalmente questões ligadas à profilaxia da lepra.

1921: Fundação do Dispensário Antileproso a 28 de Junho, em Belém. Este foi o 1.º Dispensário no Brasil.

1922: Realização da Conferência Americana da Lepra entre os dias 8 e 15 de Outubro, no Rio de Janeiro. É também conhecida como I Conferência Panamericana de Lepra.

1923: Realização da III Conferência Internacional de Leprologia realizada em Strasburgo, de 28 a 31 de Julho.

1923: I Congresso Brasileiro de Higiene, de 1 a 7 de Outubro, no Rio de Janeiro.

1923: Aprovação do Regulamento Sanitário Federal da Divisão Nacional de Saúde Pública pelo decreto nº 16.300 baixado pelo Presidente da República Arthur da Silva Bernardes em 31 de Dezembro de 1923, onde também fica organizada a Inspetoria de Profilaxia da Lepra.

1924: II Congresso Brasileiro de Higiene, realizado em Belo Horizonte, em Dezembro.

1926: Fundação da Sociedade de Assistência aos Lázaros e Defesa contra a Lepra, em São Paulo, em 27 de fevereiro deste ano, por iniciativa de Alice Tibiriçá. Esta sociedade serviu de modelo a muitas outras que se instalaram no país.

1926: III Congresso Brasileiro de Higiene, realizado em São Paulo, de 4 a 12 de Novembro.

1926: Realização do III Congresso Sul-Americano de Dermatologia e Sifiligrafia, em Buenos Aires, no mês de Julho.

1926: Grande Polêmica entre Belisário Penna e Eduardo Rabello, nas seções deste ano da Academia Brasileira de Medicina.

1927:  VIII Conferência Sanitária Panamericana de Lima, realizada em Dezembro.

1927: Em março foi instalado, no Instituto Oswaldo Cruz, por ordem do seu diretor Professor Carlos Chagas, o Laboratório de Leprologia.

1927: Em Junho e Julho, os Deputados Federais Rafael Fernandes e Monoelito Moreira, agitaram, na Câmara Federal, com sabedoria, o problema da lepra no Brasil.

1927: A partir deste ano o ensino de leprologia foi introduzido por Souza Araujo no programa do Curso de Aplicação do Instituto Oswaldo Cruz.

1927: Fundada a Cruz Branca Nacional no dia 13 de Agosto, no Rio de Janeiro, com a finalidade de estudar a lepra, fundar leprosários para indigentes e abastados, proteger e educar filhos de leprosos, longe dos focos de contágio.

1928: IV Congresso Brasileiro de Higiene, realizado em Salvador, Bahia, de 14 a 20 de Janeiro. Neste congresso não apareceram trabalhos sobre lepra, nem mesmo como tem livre.

1928: Realização das Jornadas Médicas, no Rio de Janeiro, no mês de Julho.

1928: Fundada a Sociedade de Assistência aos Lázaros e Defesa contra a Lepra, do Rio de Janeiro, a 21 de Julho, por Alice Tibiriçá, na séde da Cruz Vermelha Brasileira.

1929: Realização da IV Conferência Sul-Americana de Higiene, Microbiologia e Patologia, em Julho, no Rio de Janeiro, realizada pela Academia Nacional de Medicina, em comemoração ao seu primeiro centenário de existência.

1929: Realização da Semana da Lepra, de 20 a 27 de Outubro, no Rio de Janeiro, promovida pela Liga da Defesa Nacional em colaboração com a Sociedade de Assistência aos Lázaros e Defesa contra a Lepra.

1929: Realização do V Congresso Brasileiro de Higiene, no Recife.

 

1930-1939

1930: Em Telegrama Circular de 30 de Novembro de 1930, o Ministro da Educação e Saúde, Dr. Francisco Campos, extingue os Serviços de Saneamento Rural e de Profilaxia da Lepra e Doenças Venéreas.

1931: Fundada a Sociedade Internacional Leprológica com o nome de International Leprosy Association Esta Sociedade esteve organizada desde 1926, mas só foi definitivamente fundada quando da realização da Conferência Leprológica de Manila 1931.

1931: Conferência Internacional de Leprologia, realizada em Manila, neste ano.

1932: Fundação da Federação das Sociedades de Assistência aos Lázaros e Defesa contra a Lepra, em 27 de Fevereiro, na cidade de São Paulo, por Alice Tibiriçá. É uma associação civil destinada a desenvolver intensa campanha contra a lepra no território nacional. Segundo os estatutos da Federação, aprovados em Assembléia Geral de Julho de 1935

1932: Fundação, em 20 de Março, da Liga contra a Lepra, com a sua sede em Belém, Pará. É uma sociedade civil de fins humanitários, que pretende colaborar com a Federação das Sociedades de Assistência aos Lázaros e Defesa contra a Lepra. Seus Estatutos foram aprovados pelo Conselho Deliberativo em 02 de Agosto de 1939.

1932: O Dr. Belisário Penna, quando Ministro da Educação e Saúde , conseguiu a criação do “Selo de Educação” de 200 réis, de aplicação universal, para com essa renda intensificar a campanha nacional contra a lepra.

1932: Em Dezembro deste ano foi realizada a primeira Campanha da Solidariedade, na capital paulista, em proveito da Sociedade de Assistência aos Lázaros e Defesa contra a Lepra, de São Paulo. Essas campanhas tinham o objetivo principal de angariar donativos para dotar as Associações com os meios necessários à execução de seus objetivos.

1933: Realização da Primeira Conferência Nacional de Leprologia, reunida no Rio de Janeiro, por iniciativa da Federação das Sociedades de Assistência aos Lázaros e Defesa contra a Lepra. Esta Conferência nomeou uma Comissão Técnica para elaborar um plano geral para a uniformização dos métodos profiláticos aplicáveis nas campanhas contra o Mal de Hansen pelo país. Esta Comissão Reuniu-se nos dias 28, 29, e 30 de outubro de 1933 discutindo e aprovando sugestões e criando por fim um Conselho Nacional de Profilaxia da Lepra que tem por finalidade principal cooperar com os Governos na profilaxia desta doença.

1934: A partir do decreto nº 24.438, de 21 de Junho de 1934, o Governo criou a Diretoria Nacional de Saúde e Assistência Médico Social. A sua organização foi estabelecida pelo decreto nº 24.814, de 14 de Julho de 1934. Essa Diretoria coordenava e sistematizava os Serviços de Saúde e assistência Médico Social.

1935: Transferência, em Julho, na Federação das Sociedades de Assistência aos Lázaros e Defesa contra a Lepra, de São Paulo para o Rio de Janeiro.

1936 :Em Março o Presidente Getúlio Vargas mandou executar um plano de profilaxia da lepra, tendo designado os Drs. Bonifácio Costa e Décio Parreiras, superintendentes da construção dos primeiros leprosários.

1937: A Federação das Sociedades de Assistência e Defesa contra a Lepra foi considerada de utilidade pública pelo Governo Federal, através do decreto nº 1.473 de 08 de Março de 1937.

1937: Em 13 de Janeiro de 1937 o Governo deu nova organização à Diretoria Nacional de Saúde e Assistência Médico Social, que passou a chamar-se Departamento Nacional de Saúde, através do decreto nº 378.

1938: IV Congresso Internacional de Leprologia do Cairo, em Março.

1939: 1.º Conferência Nacional de Assistência aos Leprosos, de 12 a 19 de Novembro, no Rio de Janeiro, promovida por D. Eunice Weaver, presidente da Federação das Sociedades de Assistência aos Lázaros e Defesa contra a Lepra.

 

1940-1949

1940: X Conferência Sanitária Panamericana, realizada em Washington, no mês de Maio.

1941: Decreto nº 3171, de 02 de Abril de 1941, que reorganiza o Departamento Nacional de Saúde, criando inclusive o Serviço Nacional de Lepra.

1941: Em 05 de Novembro deste ano foi fundada, em Minas Gerais, a Sociedade Mineira de Leprologia.

1942: Decreto-lei, nº 4.827, de 12 de Outubro de 1942, que reconhece a Federação das Sociedades de Assistência aos Lázaros e Defesa Contra a Lepra como instituição assistencial de caráter particular, integrada na Campanha Nacional contra a Lepra.

1943: Passou-se a empregar o tratamento pelas sulfonas.

1944: Decreto-lei nº 3171 de 02 de abril de 1944, que dá nova organização ao Departamento Nacional de Saúde, criando serviços especializados, com atribuições definidas, como é o caso do Serviço Nacional de Lepra.

1944: Decreto nº 15.484, de 08 de maio de 1944, que aprova o Regimento do Serviço Nacional de Lepra, do Departamento Nacional de Saúde.

1944: Portaria nº 86, de 18 de Setembro de 1944, regulamentando a experimentação de produtos e processos terapêuticos contra a lepra nos estabelecimentos oficiais.

1945: Primeira Reunião dos Leprólogos Brasileiros, realizada em Três Corações, Minas Gerais, nos dias 16 e 17 de junho de 1945.

1945: Realização da 2.ª Conferência Nacional de Assistência Social aos Lázaros, realizada no Rio de Janeiro, de 10 a 17 de Julho.

1945: Organização do Instituto Nacional de Leprologia, pelo Ministério da Educação e Saúde.

1946: Criação do Instituto de Leprologia, subordinado ao Serviço Nacional de Lepra do Departamento Nacional de Saúde, pelo Decreto-Lei nº 8.584, de 8 Janeiro de 1946.

1946: Decreto nº 20.354, de 08 de Janeiro de 1946, qua altera a disposição do Regimento do Serviço Nacional de Lepra, aprovado pelo decreto nº 15.484, de 08 de maio de 1944.

1946: Decreto nº 15.795, de 14 de maio de 1946, que dá novo regulamento às visitas a doentes de leprosários.

1946: Realização da II Conferência Panamericana de Lepra, de 19 a 31 de Outubro, no Rio de Janeiro.

1946: Reunião dos Leprólogos Brasileiros e Argentinos, realizada em São Paulo, nos dias 19 a 23 de maio de 1946.

1947: As Instruções Reguladoras para concessão de altas aos doentes de lepra foi publicada na Portaria nº 3, de 28 de Fevereiro de 1947.

1947: As Instruções Reguladoras da disciplina interna dos leprosários foi publicada na Portaria nº 5, de 25 de março de 1947.

1948: V Congresso Internacional de Lepra, realizado em Havana , de 3 a 11 de Abril de 1948, patrocinado pelo governo de Cuba.

1948: Em 19 de Novembro de 1948 foi criada a Associação Brasileira de Leprologia, a primeira entidade de âmbito nacional especializada na lepra.

1948: Lei nº 123, de 1.º de Outubro de 1948, que institui o “Selo de Cooperação Popular” no valor de cinqüenta centavos, que deve ser aplicado em todos os ingressos vendidos pelas casa de diversões diurnas e noturnas.

1948: Lei, nº 165, de 26 de Outubro de 1948, que institui o “Selo de Cooperação Popular”, de acordo com a lei nº 123, e que destina o produto de sua venda exclusivamente à assistência dos morféticos e cancerosos.

1948: Primeira Reunião de Leprologistas Brasileiros, realizada nos dias 18 a 20 de Novembro de 1948.

1949: Lei nº 610, de 13 de janeiro. Fixa normas para a profilaxia da lepra, uniformizando a Campanha contra a doença no Brasil.

1949: Quarta Reunião Conjunta das Sociedades Paulista e Mineira de Leprologia , realizada nos dias 22 a 27 de Janeiro de 1949.

1949: Lei nº 909, de 8 de Novembro, a qual autoriza a emissão especial de selos em benefício dos filhos sadios de lázaro.

1949: Conferência Nacional da Lepra, realizada no Rio de Janeiro nos dias 15 e 16 de Dezembro.

1949: Reunião de Técnicos Leprologistas, realizada no Rio de Janeiro, no mês de Dezembro.

 

1950-1959

1950: Lei nº 1045, de 2 de janeiro, que dispõe sobre a concessão de alta aos doentes de lepra.

1950: II Conferência Nacional de Saúde realizada no Rio de Janeiro.

1950: A Portaria nº 11, de 08 de Março de 1950, trata das Instruções para regular a concessão de altas e a transferência dos doentes para dispensários.

1950: Congresso Ibero-Latino Americano de Dermatologia e Sifilografia, realizado no Rio de Janeiro, de 24 a 30 de Setembro.

1951: III Conferência Panamericana de Leprologia, de 9 a 15 de Dezembro, em Buenos Aires. Esta Conferência deveria ter sido realizada entre os dias 8 e 14 de Outubro de 1950, mas só se realizou em 1951.

1952: X Congresso Internacional de Dermatologia, realizado em Londres.

1952: Portaria nº 120, de 31 de Julho de 1952, que dá instruções para o funcionamento do Instituto de Leprologia do Serviço Nacional de Lepra.

1952: X Congresso Brasileiro de Higiene, realizado em Belo Horizonte, nos dias 19 a 25 de Outubro de 1952.

1952: Reunião dos Peritos da OMS, no Rio de Janeiro, outubro de 1952.

1953: Criação do Ministério da Saúde, pela lei nº 1.920 de 25 de Julho de 1953.

1953: Reunião dos Leprólogos Brasileiros realizada em Curitiba, de 1 a 3 de Maio de 1953.

1953: Realização do VI Congresso Internacional de Leprologia em Madrid, no mês de Outubro.

1954: Lei nº 2.312, de 3 de Setembro de 1954, conhecida como Código Nacional de Saúde.

1955: Decreto nº 36.771, de 12 de janeiro. Aprova o Regimento do Serviço Nacional de Lepra, do Departamento Nacional de Saúde, do Ministério da Saúde.

1955: Realização do II Congresso Internacional de Alergia, no Rio de Janeiro. Foi apresentado, neste congresso, um trabalho, executado no Instituto de Leprologia pelos Drs. Américo Vieira Rabelo Neto, Rubem David Azulay, Cândido Oliveira e Silva e Lygia Madeira Cesar de Andrade sobre a verificação da ação do BCG em doentes de lepra em tratamento.

1956: Projeto nº 1886-A, deste ano, que institui a Campanha Nacional de Luta contra a Lepra.

1956: IV Reunião dos Leprólogos Brasileiros, realizada em 25 a 28 de Janeiro em Belo Horizonte.

1956: Portaria nº 160, de 23 de Julho de 1956 que regulamenta as altas e as transferências para Dispensários.

1956: I Congresso de Egressos de Leprosários, realizado em Belo Horizonte, em 25 de Novembro deste ano.

1957: V Reunião dos Leprólogos Brasileiros. Realizado em Cambuquira, entre os dias 10 a 12 de maio de 1957.

1957:  VI Congresso Médico do Estado do Rio de Janeiro, realizado em julho de 1957.

1957:  Realização do Simpósio sobre Fundamentos para a utilização do BCG na Profilaxia da Lepra, no Rio de Janeiro, em Setembro de 1957.

1958: Realização do Seminário Panamericano sobre a Profilaxia da Lepra, em Belo Horizonte, de 30 de Junho a 07 de Julho.

1958: No dia 29 de Outubro de 1958 foi inaugurada a nova sede do Serviço Nacional de Lepra, localizada em um prédio anexo ao Hospital Frei Antônio, em São Cristóvão.

1958: VII Congresso Internacional de Leprologia, realizado em Nova Delhi Índia de 12 a 19 de Novembro de 1958.

1959: Lei nº 3.542 de 11 de Fevereiro de 1959, que institui a Campanha Nacional contra a Lepra.

 

1960-1969

1960: Simpósio sobre Epidemiologia da Lepra, realizado em São Paulo, nos dias 27 e 28 de Maio de 1960, promovido pela Sociedade Brasileira de Leprologia.

1960: Simpósio sobre Terapêutica da Lepra, realizado no Rio de Janeiro, nos dias 11 e 12 de Novembro de 1960.

1962: Decreto nº968, de 7 de Maio de 1962, que baixa normas especiais para o combate à lepra no país.

1963: Realização do 8.º Congresso Internacional de Leprologia. Rio de Janeiro.

1964: Simpósio sobre Profilaxia da Lepra. Rio de Janeiro.

1965: Congresso dos Dermatologistas da Língua Portuguesa e XXII Reunião Anual de Dermato-Sifilógrafos Brasileiros. Rio de Janeiro – de 22 a 27 de Novembro. É a primeira vez em que o tema Lepra aparece nessa Reunião a primeira Reunião Anual dos Dermato-Sifilógrafos aconteceu em 1944.

1968: IX Congresso Internacional de Leprologia. Londres.

1968: Seminário sobre métodos de administração em programas de controle da lepra, convocado pela Oficina Panamericana, Escritório Regional da OMS para as Américas, realizado de 8 a 13 de julho de 1968, em Guadalajara, México.

1968: XVII Congresso Brasileiro de Higiene Realizado em Salvador, de 8 a 14 de Dezembro de 1968.

1969: Realização da III Jornada Brasileira de Leprologia e XXVI Congresso Brasileiro de Dermatologia. Recife, de 18 a 23 de Outubro de 1969.

 

1970-1979

1970: Criação da Divisão Nacional de Lepra, pelo decreto nº 66.623 de 22 de Maio de 1970 que trata da organização administrativa do Ministério da Saúde.

1970:  XVIII Congresso Brasileiro de Higiene – Seminário de Profilaxia da Lepra realizado em São Paulo, de 26 a 31 de Outubro de 1970.

1971: XXVIII Congresso Brasileiro de Dermatologia e V Jornada Brasileira de Leprologia, realizado em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, de 20 a 25 de Setembro de 1971.

1971: X Curso Internacional de Leprologia para missionários e auxiliares sanitários, realizado na Espanha, de 04 a 30 de Outubro de 1971.

1971: XI Curso Internacional de Leprologia para Médicos, realizado na Espanha, de 16 a 25 de Setembro de 1971.

1971: XIV Congresso Internacional de Dermatologia, realizado em Veneza e Pádua, de 22 a 27 de Maio de 1971.

1971: Jornadas de atualização em Leprologia, realizadas em Florianópolis Setembro e em Campo Grande, Mato Grosso Dezembro.

1972: VI Jornada Brasileira de Leprologia, realizada em Niterói e Friburgo, de 16 a 21 de Outubro de 1972.

1972: Aconteceram três jornadas de atualização em leprologia em Minas Gerais. Em Juiz de Fora, em fevereiro; em Diamantina, também em fevereiro; e em Montes Claros, no mês de Março.

1972: Portaria nº 236, de 28 de Dezembro de 1972 sobre a internação de doentes de lepra em hospitais especializados.

1973: X Congresso Internacional de Leprologia realizado em Bergen, Noruega.

1973: Anais do 10.º Congresso Internacional de Leprologia. Sociedade Brasileira de Dermatologia.

1973: VII Jornada Brasileira de Leprologia, realizada em Guarapari, Espírito Santo, de 22 a 26 de Setembro de 1973.

1973: VI Congresso Brasileiro de Medicina Militar realizada em agosto de 1973 em Fortaleza, Ceará.

1974: 1.º Congresso Nacional de Hansenologia Leprologia. Juiz de Fora.
Anais do 1.º Congresso Nacional de Hansenologia. Sociedade Brasileira de Dermatologia, código: _____ ver indicação.

1975: Decreto nº 76.078, de 04 de agosto de 1975 que dá novas atribuições ao Ministério da Saúde.

1975: Substituição oficial do termo “Lepra” por “Hanseníase” através do Decreto n. 76.078, de 04/08/1975.

1975: IV Seminário Pan-Americano sobre o Controle da Lepra, realizado em Caracas, Venezuela, de 22 a 26 de Setembro de 1975.

1976: Conferência Nacional para avaliação da Política de Controle da Hanseníase, promovida pelo Ministério da Saúde, realizada em Brasília, nos dias 24 e 25 de maio.

1976: Portaria nº 165, de 14 de maio de 1976 sobre as normas que a Política de Controle da Hanseníase deve seguir

1976: Em reunião realizada em 16 de Setembro de 1976, a Assembléia Geral da Associação Brasileira de Leprologia aprovou por unanimidade a alteração do nome para Associação Brasileira de Hansenologia.

1976: Quinta reunião dos Comitês da OMS de Peritos em Hansenologia, realizada em Genebra, de 19 a 25 de Outubro de 1976.

1978: II Congresso Brasileiro de Hansenologia realizado no Rio de Janeiro, de 29 de Junho a 02 de Julho.

1978: Portaria Interministerial, nº 3, de 27 de Outubro de 1978, que estabelece diretrizes de atuação conjunta no controle da Hanseníase pelos Ministérios da Saúde e da Previdência e Assistência Social.

1978: XI Congresso Internacional de Lepra, realizado no México em Novembro de 1978.

 

Referências.

Mulheres na História dos Saberes Psi

Na semana que comemoramos o Dia Internacional das Mulheres destacamos algumas  protagonistas importantes nas diversas áreas que o segmento História dos Saberes Psi” abarca.


Biografia de profissionais que tiveram atuação importante na história da saúde mental:


Marialzira Perestrello (1916-2015) Médica e psicanalista, ela pertence a uma geração de mulheres que começou a investir em carreias acadêmicas e no trabalho fora de casa no início do se séc. XX. Participou da fundação da Sociedade Brasileira de Psicanálise do Rio de Janeiro. Contribuiu para a inserção da psicanálise na Clínica de Orientação Infantil do Instituto de Psiquiatria da Universidade do Brasil. Sua obra dedica-se, predominantemente, ao estudo da relação entre psicanálise l, cultura e história da psicanálise no Brasil.  Saiba mais.

Alice Marques dos Santos foi uma importante psiquiatra e analista junguiana brasileira. Nascida na cidade de São Gonçalo, em 1911, faleceu no Rio de Janeiro, em 1996. Sua trajetória revela importantes aspectos sobre a presença e participação feminina na medicina mental do país.  Foi a primeira mulher a dirigir um hospital psiquiátrico na América Latina, quando passou a coordenar o Hospital Odilon Galotti (uma das seções do complexo hospital CPN). Em parceria com a também psiquiatra Dra. Nise da Silveira, Dra. Alice incentivou a prática da terapia ocupacional entre seus pacientes. Filiou-se, durante a década de 1950, à psicologia analítica junguiana e passou a desenvolver seu exercício clínico orientada a partir dessa perspectiva. Como médica da Casa das Palmeiras, praticou essa articulação. Durante sua trajetória, teceu relações sociais e políticas importantíssimas no interior das instituições em que atuou, o que possibilitou um conjunto de mudanças no campo psiquiátrico desde os anos 1940. Saiba mais.


Documentários:

  • Nise da Silveira Posfácio: Imagens do Inconsciente (entrevista realizada por Elon Hirszman. Filmado nos dias 15 e 19 de abril de 1986).

O documentário contém o material bruto da entrevista da Dra. Nise da Silveira e foi editado em duas partes: “emoção de lidar” e ¨o egresso¨. Ainda que percorra temas paralelos, a entrevista está centrada na longa experiência que ela desenvolveu em torno da terapêutica ocupacional para pacientes com transtornos mentais. Imperdível! Veja aqui.

  •  “Camilles, Pierinas e  Eunices – Condenadas pela Razão” – Documentário escrito e dirigido por Muriel Rodrigues de Freitas.

O curta retrata, de maneira poética, a experiência de loucura e de internação psiquiátrica vivida por três mulheres, em contextos diferentes: Eunice (SP – 1910), Pierina (RS – 1900) e Camille Claudel (França – 1943). Traz a intervenção de importantes historiadoras com enfoque de gênero, atentas ao tema da loucura e da psiquiatria, como Maria Clementina da Cunha, Yonissa Wadi e Viviane Borges, além de ter a preocupação fundamental de inscrever tal temática da história das mulheres, da loucura e da psiquiatria no ensino de história, mais especificamente na Educação de Jovens e Adultos (EJA) Tempo do vídeo: 13’37’’. . Veja aqui.


Produção Científica:

Livro: Meretrizes e doutores: saber médico e prostituição no Rio de Janeiro (1840-1890) – Magali Engel – Editora Brasiliense, 1989 – 149 páginas

No final do século XIX e início do XX, cabia à medicina social um lugar de destaque na tarefa de organizar o ‘caos urbano’, do qual a prostituição fazia parte. ‘Meretrizes e doutores’ é um estudo sobre os textos médicos produzidos no Rio de Janeiro entre 1840 a 1890, revelando a implícita necessidade de se enquadrar em padrões burgueses os comportamentos sociais, afetivos e sexuais dos indivíduos que habitavam a cidade. Esta transformação do corpo, do desejo e do prazer em objetos de estudo marcou o início da constituição de uma ciência sexual, que hoje se encarrega de impor os controvertidos limites da sexualidade sadia.  Saiba mais.

Artigo: A história de Pierina e as interpretações sobre processos de sofrimento, perturbação – Yonissa Marmitt Wadi Horizontes, Bragança Paulista, v. 21, p. 83-103, jan./dez. 2003.

Pela reconstituição de fragmentos da história de vida da camponesa Pierina, que afogou sua filha pequena, sendo indiciada em processo-crime e depois internada em um hospital psiquiátrico para averiguação de sua “sanidade mental”, este texto tem um duplo objetivo. Em primeiro lugar refletir sobre como as pessoas comuns, em situações históricas determinadas, lidam com experiências de sofrimento, saúde e doença, loucura e lucidez; que sentidos elas atribuem a estas experiências, bem como que soluções buscam para os problemas. Em seguida, reconstitui-se o deslocamento ocorrido na interpretação de tais experiências quando um ato drástico – como o da mãe que mata sua filha – as leva de encontro a saberes como o Direito e a Medicina. Neste sentido, são reconstruídos os discursos dos operadores destes saberes tendo em vista perceber se aquela mulher era uma criminosa comum ou uma doente mental. Saiba mais.


Teses:

TOLEDO, Eliza Teixeira de.
A circulação e aplicação da psicocirurgia no Hospital Psiquiátrico do Juquery, São Paulo: uma questão de gênero (1936-1956). Tese (Doutorado em História das Ciências e da Saúde) – Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, Rio de Janeiro, 2019. 296 f.
Resumo | Texto Completo

MOURA, Vanessa de Almeida.
Marialzira Perestrello: a trajetória profissional de uma médica e psicanalista carioca (1934-1962). Dissertação (Mestrado em História das Ciências e da Saúde) – Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz,Rio de Janeiro, 2019. 124 f.
Resumo | Texto Completo

LEAL, Camilla
Revolução dos costumes ou manutenção da ordem?: Uma análise dos discursos sobre reprodução e sexualidade nas páginas das revistas Cláudia e Nova (1970-1979). Dissertação (Mestrado em História das Ciências e da Saúde) – Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, Rio de Janeiro, 2018. 142 f.
Resumo | Texto Completo

ANTÃO, Ana Carolina da Cunha Borges
Gênero, imigração e política: o caso da judia comunista Genny Gleizer no Governo Vargas (1932-1935). Dissertação (Mestrado em História das Ciências e da Saúde) – Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, Rio de Janeiro, 2017. 141 f.
Resumo | Texto Completo

SOUZA, Larissa Velasquez de.
Violência contra a mulher e iniciativas de enfrentamento: o Centro de Referência de Mulheres da Maré Carminha Rosa – Rio de Janeiro – (2000-2013). Dissertação (Mestrado em História das Ciências e da Saúde) – Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, Rio de Janeiro, 2016. 165 f.
Resumo | Texto Completo

Pesquisa em Tempos de Covid-19

Pesquisando em tempos de Pandemia: Bibliografia e arquivos digitais

 

Uma das aflições recorrentes dos jovens historiadores vinculados a programas de pós-graduação em tempos de COVID-19 é não saber quando os acervos históricos vão voltar a estar disponíveis para pesquisa nos diversos arquivos do país. Pensando nisso, buscamos listar aqui o endereço de diferentes acervos digitalizados como forma de apoiar as atividades de pesquisas acadêmicas durante o período de isolamento social e de restrição de acesso aos arquivos físicos. Esperamos que o necessário #fiqueemcasa possa ser também um momento de grandes descobertas para a pesquisa! Nos ajude a divulgar outros arquivos.
Envie o site e o tema do arquivo para: historiaeloucura@fiocruz.br


 

SUPORTES NACIONAIS PARA PESQUISA

I.    Arquivo Nacional  

o Arquivo Nacional é um órgão público brasileiro. Subordinado ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, ele é responsável pela gestão, preservação e difusão de documentos da administração pública federal. Disponibiliza milhares de documentos sob a sua guarda acessíveis em qualquer parte do mundo pela internet. Dispõe de diversos sítios eletrônicos, bases de dados e instrumentos de pesquisa que permitem a seus usuários o acesso à informação documental e arquivística, bem como a informações sobre suas atividades e eventos.
A documentação textual é proveniente dos poderes Executivo, Moderador, Judiciário e Legislativo federais, mas inclui também coleções privadas, entre eles os de Eusébio de Queirós, de Duque de Caxias, de Bertha Lutz, de Luís Carlos Prestes, de presidentes da República, assim como da Academia Brasileira de Letras, da Federação Brasileira pelo Progresso Feminino, do Instituto de Pesquisa e Estudos Sociais (IPES) e da Associação dos Arquivistas Brasileiros.
A documentação cartográfica reúne mais de 44 mil títulos sobre as características geográficas de diversas regiões do mundo e do território brasileiro do século XVII ao XX.
Já a documentação iconográfica tem seu marco inicial na década de 1860, coincidindo com a expansão da fotografia e inclui imagens produzidas por importantes fotógrafos brasileiros e estrangeiros que atuaram no Brasil e no exterior, além de arquivos da Agência Nacional (1930-1979), do jornal Correio da Manhã (1901-1974) e da família Ferrez (1839-2000), além da Coleção de Fotografias Avulsas.
O acervo sonoro abrange o período de 1902 a 1990 e é composto por mais de 11 mil itens, entre discos e fitas de áudio dos fundos Agência Nacional, Presidência da República, Rádio Mayrink Veiga, Humberto Franceschi, Rádio Jornal do Brasil e Serviço de Censura de Diversões Públicas, entre outros.
O conjunto de imagens em movimento possui 33 mil títulos. Fazem parte desse acervo cinejornais, documentários, obras de ficção, filmes publicitários, familiares e recortes de filmes que foram alvo da censura.

 ♦  Sistema de Informações do Arquivo Nacional – SIAN  – Uma nova ferramenta de pesquisa digital no sistema de busca do acervo do Arquivo Nacional que disponibiliza o acesso a mais de 1 milhão de documentos e potencializa as possibilidades de busca, realizando uma varredura por palavra no conteúdo dos documentos.
A pesquisa digital 2.0 está em fase de aperfeiçoamento, e novos filtros de busca serão implementados. A Coordenação de Tecnologia da Informação do Arquivo Nacional desenvolveu essa solução que aumentou a capacidade de pesquisa e a precisão dos resultados do SIAN. Para pesquisar no acervo do Arquivo Nacional, basta acessar o SIAN, realizar um cadastro, clicar em ‘Fundos/Coleções’ e ‘Pesquisa Digital 2.0’.

II.    Arquivo Público do Estado de São Paulo 

O órgão é detentor de um rico acervo histórico, com documentos textuais, fotografias, mapas, ilustrações, jornais, revistas e livros. Qualquer cidadão pode consultar gratuitamente este acervo, na sede do Arquivo Público ou pela internet. Já são mais de 400 mil imagens de documentos digitalizados e disponíveis para consulta em no site.

III.    BDTD – Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações

A Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações do Ibict (BDTD) integra os sistemas de informação de teses e dissertações existentes nas instituições de ensino e pesquisa do Brasil, e também estimula o registro e a publicação de teses e dissertações em meio eletrônico.

IV.    Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin

A Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin é um órgão da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da Universidade de São Paulo (USP). Possui um acervo online no qual pode-se consultar todo o catálogo de livros de todo o acervo da Universidade de São Paulo (USP) – e disponibiliza mais de 3.000 títulos em acesso aberto.

V.     Biblioteca Digital da Unicamp 

Produção Científica/Acadêmica da Unicamp em formato eletrônico de artigos, fotografias, ilustrações, obras de arte, revistas, registros sonoros, vídeos e outros documentos de interesse ao desenvolvimento científico, tecnológico e sócio cultural. Devido à troca de plataforma de gerenciamento, as teses e dissertações estão disponíveis somente no Repositório Institucional da Unicamp (http://repositorio.unicamp.br/).

VI.    Biblioteca Nacional Digital Brasil 

Disponibiliza as obras da Biblioteca Nacional em formato digital . A Biblioteca Nacional Digital já atingiu o número de mais de 900 mil itens digitalizados e disponíveis para consulta gratuita do público.

 ♦   Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional

A Fundação Biblioteca Nacional oferece aos seus usuários a HEMEROTECA DIGITAL BRASILEIRA, portal de periódicos nacionais que proporciona ampla consulta, pela internet, ao seu acervo de periódicos – jornais, revistas, anuários, boletins etc. – e de publicações seriadas

VII.   Domínio Público

Disponibiliza uma biblioteca virtual com amplo acesso às obras literárias, artísticas e científicas (na forma de textos, sons, imagens e vídeos) já em domínio público ou que tenham a sua divulgação devidamente autorizada, que constituem o patrimônio cultural brasileiro e universal.

VIII.   Fiocruz

A Fundação Oswaldo Cruz possui diversos acervos que podem colaborar com a sua pesquisa, especialmente se você está pesquisando temas vinculados a ciências, saúde e suas histórias.

♦  Em primeiro lugar, vale chamar atenção para o Arca , o Repositório Institucional da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que reúne toda a produção intelectual dos pesquisadores da Instituição. O Arca está organizado em comunidades que correspondem às unidades da Fiocruz e disponibiliza para a sociedade anais de congresso, artigos de periódicos, artigos publicados em jornais, capítulos de livros, dissertações e teses, livros, fotografias, manuais, entre outros.Em primeiro lugar, vale chamar atenção para o Arca, o Repositório Institucional da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que reúne toda a produção intelectual dos pesquisadores da Instituição. O Arca está organizado em comunidades que correspondem às unidades da Fiocruz e disponibiliza para a sociedade anais de congresso, artigos de periódicos, artigos publicados em jornais, capítulos de livros, dissertações e teses, livros, fotografias, manuais, entre outros.

  Outro  portal de interesse para o pesquisador é o Portal de Periódicos da Fiocruz  , um ambiente que integra as revistas científicas editadas pela Fundação Oswaldo Cruz. Aqui, você encontra artigos, notícias, entrevistas, vídeos e infográficos com base na produção científica em saúde. Assim, é mais fácil acompanhar temas do seu interesse sob diferentes perspectivas e se manter sempre atualizado.

♦  Para historiadores e outros cientistas das áreas humanas e sociais, vale sublinhar a importância da Biblioteca da Casa de Oswaldo Cruz . Especializada em história da medicina, história da saúde pública, história, sociologia e filosofia da ciência, a biblioteca inclui em sua coleção literatura primária e secundária nessas áreas, com destaque para obras clássicas no campo das ciências biomédicas e da saúde pública, além de material bibliográfico pertencente a coleções particulares de profissionais da área da saúde. Conta com cerca de 34 mil itens e desenvolve atividades de tratamento e recuperação de seu acervo.

IX.    Oasisbr – Portal brasileiro de publicações científicas em acesso aberto

O Portal é um mecanismo de busca multidisciplinar que permite o acesso gratuito à produção científica de autores vinculados a universidades e institutos de pesquisa brasileiros. Por meio do Oasisbr é possível também realizar buscas em fontes de informação portuguesas.

X.    Portal Regional da BVS 

A coleção de fontes de informação do Portal é composta de bases de dados bibliográficas produzidas pela Rede BVS, como LILACS, além da base de dados Medline e outros tipos de fontes de informação tais como recursos educacionais abertos, sites de internet e eventos científicos.

XI.    Portal de Periódicos Capes 

O Portal de Periódicos, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), é uma biblioteca virtual que reúne e disponibiliza a instituições de ensino e pesquisa no Brasil o melhor da produção científica internacional. Ele conta com um acervo de mais de 45 mil títulos com texto completo, 130 bases referenciais, 12 bases dedicadas exclusivamente a patentes, além de livros, enciclopédias e obras de referência, normas técnicas, estatísticas e conteúdo audiovisual.
Os periódicos também podem ser acessados via aplicativo onde é possível fazer buscas rápidas por assunto, periódico, livro e base. Também é possível acessar de forma remota o Portal de Periódicos via Comunidade Acadêmica Federada (CAFe), bem como navegar em websites referenciados pelos resultados de busca.

XII.    Scientific Electronic Library Online – Scielo

SciELO é uma biblioteca eletrônica que abrange uma coleção selecionada de periódicos científicos brasileiros O site da SciELO é parte do Projeto FAPESP/BIREME/CNPq e um dos produtos da aplicação da metodologia para preparação de publicações eletrônicas em desenvolvimento, especialmente o módulo de interface Internet.
A biblioteca eletrônica proporciona o acesso a coleções de periódicos como um todo, aos fascículos de cada título de periódico, assim como aos textos completos dos artigos. O acesso aos títulos dos periódicos e aos artigos pode ser feito através de índices e de formulários de busca.

♦  A Rede SciELO Livros

Publica coleções nacionais e temáticas de livros acadêmicos com o objetivo de maximizar a visibilidade, acessibilidade, uso e impacto das pesquisas, ensaios e estudos que publicam. Os livros publicados pelo SciELO Livros são selecionados segundo controles de qualidade aplicados por um comitê científico e os textos em formato digital são preparados segundo padrões internacionais. São legíveis nos leitores de ebooks, tablets, smartphones e telas de computador.

XIII – O Sistema de Bibliotecas e Informação (SiBI) a Universidade Federal do Rio de Janeiro(UFRJ)

Afim de dar suporte às pesquisas em meio a pandemia causada pelo novo coronavírus, em junho, o SiBI/UFRJ fez uma curadoria das editoras acadêmicas das principais universidades do Brasil que estão disponibilizando e-books gratuitos. A relação das editoras está separada pelas cinco regiões do país e por grande área do conhecimento.

XIV – Clio-Psyché – UERJ
O Laboratório de História e Memória da Psicologia – Clio-Psyché, órgão do Instituto de Psicologia da UERJ, dedica-se a pesquisas de cunho historiográfico particularmente relacionadas ao Brasil. Dessas investigações, resultam publicações (livros e Seção Clio-Psyché da revista Estudos e Pesquisas em Psicologia), Vídeos, encontro, constituição de acervos e formação de novos pesquisadores.

XV –  MuseuPsi
O Museu Virtual da Psicologia no Brasil tem por objetivo disponibilizar livros, artigos, documentos de valor histórico e estudos historiográficos. A instituição está iniciando com materiais e documentos de arquivos e bibliotecas do Estado do Rio Grande do Sul, com documentos históricos do Laboratório de Avaliação Psicológica da UFRGS e com alguns textos já produzidos pelo Núcleo de Epistemologia e História da Psicologia da UFRGS. Contém muitas fontes digitalizadas e disponíveis on-line e, adicionalmente, está trabalhando no desenvolvimento de um sistema que , em breve, oferecerá uma rede de links para materiais históricos de diversas partes do Brasil, contando para tanto com a colaboração do Grupo de Trabalho e História da Psicologia da ANPEPP.

 

SUPORTES INTERNACIONAIS PARA PESQUISA

I.    Center for Research Libraries (CRL)

Consórcio internacional de universidades, faculdades e bibliotecas de pesquisa independentes. Fundada em 1949, a CRL apoia a pesquisa original e o ensino inspirado nas ciências humanas e sociais, entre outras, preservando e disponibilizando aos acadêmicos uma riqueza de materiais de origem primária raros e incomuns de todas as regiões do mundo.Há bastante material digitalizado sobre o Brasil, como relatórios ministeriais (agricultura, educação, trabalho, saúde / negócios interiores) dissertações e monografias, panfletos e propagandas (sobre mulheres e crianças, ministério da saúde, por exemplo), coleção das constituições brasileiras, etc. Veja, por exemplo: http://catalog.crl.edu/search/Y?SEARCH=Brazil&searchscope=5&x=6&y=16
Mas tem muita mais para pesquisar no site. Vale se aprofundar por meio dos diversos modos de pesquisa que ele oferece.

II.    Gale – Cengage Learning

Possui  um banco de dados com  jornais, periódicos, periódicos, vídeos e podcasts atualizados em texto completo para consulta, além de uma plataforma de e-book da Gale com  extensa coleção de e-livros para bibliotecas – de clássicos fundamentais a novos títulos tópicos e a coleção de fonte primárias da Gale.

III.    Gallica 

Essa é a biblioteca digital da Bibliothèque Nationale de France e de seus parceiros. Online desde 1997, é enriquecida a cada semana com milhares de novos recursos e hoje oferece acesso a vários milhões de documentos digitalizados. Sua missão é oferecer aos leitores um conjunto de documentos livres de direitos autorais em imagens e documentos em modo de texto, e possui vários arquivos temáticos que oferecem rotas estruturadas por tipo de documento, tema ou área geográfica, acessíveis no botão “Coleções”.Principalmente em francês, esses recursos livres de royalties oferecem uma ampla variedade de mídias (livros, revistas, jornais, partituras, gravuras, mapas, fotografias, gravações sonoras, manuscritos, pôsteres, partituras, etc.) e variam da Antiguidade até a primeira metade do século 20, com uma forte presença de documentos publicados no século XIX.

IV.    Institut of Historical Research

O Instituto de Pesquisa Histórica (IHR) é o centro nacional de história do Reino Unido. Criamos e fornecemos recursos para incentivar, apoiar e facilitar novas pesquisas de historiadores. Esses recursos vão desde as extensas coleções de pesquisa primária da Biblioteca IHR Wohl até recursos digitais, publicações, treinamento especializado, oficinas, palestras e seminários.

V.    Internet Archive

O Internet Archive, uma organização sem fins lucrativos consiste em uma biblioteca digital de sites da Internet e outros artefatos culturais em formato digital. Fornece acesso gratuito e universal a todo conhecimento. O arquivo contém:
• 330 bilhões de páginas da web,
• 20 milhões de livros e textos,
• 4,5 milhões de gravações de áudio (incluindo 180.000 concertos ao vivo,
• 4 milhões de vídeos (incluindo 1,6 milhão de programas de notícias televisivas),
• 3 milhões de imagens,
• 200.000 programas de software.

VI.   Latindex

Latindex é resultado da cooperação de uma rede de instituições que trabalham de maneira coordenada para reunir e divulgar informações sobre as publicações científicas produzidas na América Latina. A Latindex possui dois serviços principais de informação: 1. DIRECTORY, que oferece dados bibliográficos e de contato para todas as revistas registradas e 2. CATALOG, composto de revistas com os mais altos padrões de qualidade, de acordo com a metodologia Latindex. Além disso, o site fornece informações específicas sobre os periódicos disponíveis on-line, sejam eles registrados no Diretório ou classificados no Catálogo. A seção “Produtos” fornece mais informações sobre esses recursos e como consultá-los. A Latindex também oferece acesso ao texto completo de uma seleção de revistas latino-americanas disponíveis nos portais mais importantes da região, por meio do “Portal de Portales Latindex”.

VII.    Library of Congress — National Digital Library Sobre os EUA

Programa Nacional de Bibliotecas Digitais da Biblioteca do Congresso (NDLP) norte americano montou uma biblioteca digital de reproduções de materiais de fonte primária para apoiar o estudo da história e cultura nos Estados Unidos. Iniciado em 1995, após um projeto piloto de cinco anos, o programa começou a digitalizar coleções selecionadas de materiais de arquivo da Biblioteca do Congresso que narram a rica herança cultural dos EUA e também de outros países, como o Brasil. Digitalizou coleções de livros, panfletos, filmes, manuscritos e gravações sonoras.

VIII.   NDLTD – Networked Digital Library of Theses and Dissertations

A Biblioteca Digital em Rede de Teses e Dissertações (NDLTD) é uma organização internacional dedicada a promover a adoção, criação, uso, disseminação e preservação de teses e dissertações eletrônicas (ETDs).
IX. Open Washington – College Open Textbooks – https://www.openwa.org/college-open-textbooks-page/ (Repositório: https://start.me/p/QRDO7R/open-washington-find-oer)Este portal faz parte das redes OER, recursos educacionais abertos que são materiais de ensino e aprendizagem que você pode usar e reutilizar gratuitamente. Os REA geralmente têm uma licença Creative Commons que especifica como o material pode ser usado, reutilizado, adaptado e compartilhado. Reúne recursos por diferentes categorias, como imagens, vídeos, slides, livros e cursos online, com a intenção de tornar o processo de pesquisa mais eficiente e eficaz. Passe o mouse sobre um bloco de recursos para obter informações adicionais sobre o recurso.

X.    PubMed

O PubMed compreende mais de 30 milhões de citações para literatura biomédica do MEDLINE, periódicos de ciências da vida e livros on-line. As citações podem incluir links para conteúdo de texto completo nos sites da PubMed Central e dos editores.

XI.    Staffordshire’s Asylums

Os Staffordshire Archives and Heritage, juntamente com os parceiros do Wellcome Trust, estão realizando um projeto para lançar luz sobre a história dos três asilos do condado de Staffordshire: Stafford (aberto em 1818), Burntwood (1864) e Cheddleton (1899).
O projeto ainda em andamento se concentra na experiência do paciente ao catalogar os registros de casos do período 1818-1960. O principal recurso de pesquisa produzido pelo projeto será um banco de dados de informações extraídas das notas de caso que podem ser usadas para pesquisas em história médica e social. Além disso, criamos um índice on-line para ajudar os historiadores da família. Embora o acesso seja restrito a registros com menos de 100 anos, o material anterior está disponível para pesquisa. Os registros dessas três instituições são notavelmente consistentes e bem preservados, com apenas uma lacuna nos registros de Stafford entre as décadas de 1840 e 1870. Traçar as histórias médicas e culturais da saúde mental e seu tratamento traz à tona muitas perguntas e muitas histórias individuais. Perguntas sobre os significados sociais da saúde mental, estresse ocupacional, como as experiências das pessoas afetaram o gênero e como os asilos funcionaram e os papéis que elas desempenharam serão todos explorados nestas páginas.

XII.    The Internet Public Library (ipl2) 

Oferece um ponto de partida para quem faz pesquisas na Internet. As principais coleções incluem referências, exposições, revistas e periódicos, jornais, textos on-line, pesquisa na web e extensas coleções de adolescentes e jovens. A referência abrange todas as disciplinas acadêmicas com um extenso tutorial sobre o processo de pesquisa.

XIII.   The London Library 

Abrangendo quase 3000 anos, a Biblioteca Britânica guarda cerca de 200 milhões de itens (crescendo a cada ano), que incluem, além de livros, manuscritos, mapas, selos, patentes, fotos, partituras e muito mais.

XIV.    The Online Books  

Disponibiliza mais de 3 milhões de livros gratuitos para consulta na Web.

XV.    Wellcome Library

Milhares de itens das coleções da Biblioteca estão disponíveis gratuitamente online. As coleções digitais da Biblioteca cobrem uma ampla variedade de tópicos, incluindo asilos, alimentação, saúde sexual e sexual, genética, saúde pública e guerra.Livros, panfletos, arquivos, pôsteres, fotografias e gravações de filmes e sons publicados são totalmente gratuitos. Os materiais digitalizados são liberados sob uma variedade de licenças não comerciais, de atribuição e de domínio público da Creative Commons.

XVI.   Google books

Uma ferramenta para pesquisar livros e informações específicas neles. Embora, em muitos casos, o acesso  seja a parte do texto, é possível saber, por meio do mecanismo de pesquisa, se um tópico ou personagem específico é citado e em qual página essas informações são encontradas. Se você estiver procurando textos completos, o recomendável é ir em “Preferências”, depois “Pesquisa avançada” e selecionar “Somente exibição completa”. Dessa forma, ele produzirá apenas textos digitalizados completos que podem ser baixados posteriormente, mesmo em PDF.

Books Ngram Viewer (Google Labs) Ferramenta do Google que permite verificar quantas vezes um termo foi citado na base de livros digitalizados do Google numa escala de tempo.

XVII. Coleções digitais do Instituto Ibero-americano

É possível acessar mais de 2.500 livros, 112 partituras musicais e 1.730 revistas, entre outros tipos de fontes documentais audiovisuais. No caso do Peru, possui uma coleção completa da revista Variedades , Mercúrio Peruano , Almanaque del Comércio , Mundial , que pode ser baixada por pesquisadores.

XVIII.  Memoria Chilena

Um centro de recursos digitais que apresenta pesquisas baseadas em documentos digitalizados pertencentes às coleções da Biblioteca Nacional do Chile.Possui 22 tópicos relacionados à saúde e bem-estar social , incluindo alcoolismo, alimentação, higiene e saúde pública, entre muitos outros.

XIX. Biblioteca Nacional Digital do Chile

A plataforma que reúne todas as coleções e serviços digitais da Biblioteca Nacional do Chile e é composta por mais de 244.000 objetos digitais.

XX.  Biblioteca Digital da Biblioteca Nacional do Peru

Suas coleções incluem vários temas, como ciências sociais, administração, literatura universal e peruana: clássica e contemporânea. Nesta biblioteca é possível obter material relacionado à saúde e à ciência, entre eles textos pertencentes à Coleção Antiga, que datam do século XIX até os mais recentes.

XXI.  Endangered Archive Program  –  EAP

Facilita a digitalização de arquivos em todo o mundo que estão em risco de destruição, abandono ou deterioração física. Desde 2004, o Programa digitalizou mais de oito milhões de imagens e 25.000 trilhas sonoras. Os tipos de arquivos digitalizados até o momento incluem fontes raras de impressão, manuscritos, materiais visuais e gravações de áudio. Para os interessados ​​em questões de história da saúde no Peru, destacamos o projeto de digitalização do material da Faculdade de Medicina da Universidade Nacional Prefeito de San Marcos, que permite o acesso a dezenas de teses médicas, principalmente a partir do século XIX. Para os interessados ​​em revisar a imprensa, a EAP digitalizou o jornal El Debe de Arequipa.

XXII.  Centro de Estudos do Peru da Universidade Católica de San Pablo de Arequipa

Disponibiliza  vários exemplares do jornal de Arequipa digitalizados.

XXIII. Biblioteca Digital da Universidade do Chile

É possível acessar as coleções do Museu Nacional de Medicina Dr. Enrique Laval, que digitalizou fotografias, teses, planos, documentos de arquivo, diplomas médicos, entre muitos outros.

XXIV. Sala de leitura hispânica da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos

O site reúne várias coleções digitais. Na seção “História e Cultura” é possível obter mapas antigos da América, imagens de Cristóvão Colombo, Crônicas do Novo Mundo, materiais primários e secundários das viagens de Francis Drake, entre muitos outros.

XXV. Coleção de pôsteres da Universidade de Princeton na América Latina

Tem um acervo da década de 1970 até os dias atuais. A coleção foi criada por uma grande variedade de ativistas sociais, organizações não-governamentais e agências governamentais. Possui material produzido na Argentina, Bolívia, Chile, Equador, México e Venezuela. Há material referente à área da saúde, como o pôster ” 1000 novos enfermeiros ” da Central de Trabalhadores Argentinos.

XXVI. Coleção Digital de Panfletos da América Latina da Universidade de Harvard

Disponibiliza centenas de folhetos latino-americanos raros e exclusivos, publicados durante os séculos XIX e XX, para os pesquisadores.

XXVII.  HathiTrust

Uma colaboração sem fins lucrativos de bibliotecas acadêmicas e de pesquisa que preserva milhões de itens digitalizados. Os tipos de arquivo incluem fontes de impressão raras, manuscritos, materiais visuais, gravações de áudio. Dos 6.740.279 livros que compõem a biblioteca, cerca de 39% do total são de domínio público.

XXVIII.  FamilySearch

Um projeto de arquivo genealógico e um dos maiores bancos de dados do mundo. É o braço institucional da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, dedicado à pesquisa genealógica.  Para a América Latina, grande parte da coleção é baseada em registros paroquiais e civis (nascimentos, mortes, casamentos), censos e fontes secundárias na história genealógica e familiar.

XXIX. Arquivo Mundial de Jornais – Jornais da América Latina 1-2 

Disponibiliza arquivos digitais da imprensa da Argentina, Brasil, Chile, Cuba, México, Peru, entre muitos outros.

XXX. Jean and Alexander Heard Libraries. Vanderbilt University.

A Biblioteca da Universidade Vanderbilt adquiriu os trabalhos do antropólogo, folclorista, médico e dramaturgo afro-colombiano, Zapata Olivella , em 2008; eles fornecem uma janela única sobre a história e a sociedade da Colômbia e sobre as pessoas de ascendência africana nas Américas como um todo. Disponibiliza vasto e rico material voltado para estudos latino-americanos e afro-hispânicos em diversos campos, incluindo literatura, estudos culturais, história, folclore e antropologia.

XXXI.  UCLA – University of California – Digital Library

O Programa de Biblioteca Digital da UCLA trabalha em colaboração com a Biblioteca da UCLA, em todo o campus e com uma ampla gama de parceiros para preservar e fornecer acesso aprimorado a materiais do patrimônio cultural local e global em apoio ao ensino, aprendizagem e  pesquisa. Possui um enorme acervo composto por coleções de textos, imagens, áudio e vídeos.

XXXII – Arizona State University Library

O ASU Digital Repository abriga materiais acadêmicos, administrativos e de herança cultural que apoiam, envolvem e inspiram a comunidade da Arizona State University. Estão disponíveis, artigos acadêmicos, teses e materiais audiovisuais, fotografias históricas e apresentações musicais em uma coleção ampla e inclusiva.

XXXIII – University of Houston Digital Library

A Biblioteca Digital e o Repositório de Áudio / Vídeo disponibilizam coleções digitais de materiais que documentam a Universidade de Houston, a cidade de Houston e o Estado do Texas, bem como outros materiais históricos e culturalmente significativos.

XXXIV – The Chicago University Library

A Biblioteca digitaliza suas próprias coleções para fornecer maior acesso, preservar os materiais. Cem coleções temáticas, 44 coleções de arquivos e 110 primeiros manuscritos foram disponibilizados online, com itens que variam de manuscritos egípcios do Sec. IV às primeiras edições do jornal estudantil Maroon e mapas de Chicago antes e depois do Grande Incêndio de Chicago. Muitos outros títulos individuais estão disponíveis em no catálogo da Biblioteca e por meio da participação no repositório de preservação digital internacional, HathiTrust.

XXXV – Latin American Digital Initiatives (LADI)

University of Texas Libraries – Trata-se de uma colaboração entre LLILAS Benson Estudos Latino-Americanos e Coleções da Universidade do Texas em Austin, para preservar e fornecer acesso a documentação arquivística exclusiva da América Latina, com ênfase em coleções que documentam direitos humanos e comunidades sub-representadas.

XXXVI – Biblioteca Franciscana de la Universidad de las Américas Puebla, Provincia Franciscana del Santo Evangelio de México y Biblioteca Histórica José María Lafragua de la Benemérita Universidad Autónoma de Puebla 

Essas instituições empreenderam conjuntamente a construção de um  Catálogo Coletivo que constituem um patrimônio documental. A partir do software livre -xmLibris-, desenvolvido pela Biblioteca da Universidad de las Américas Puebla, é possível consultar, navegar e visualizar coleções de documentos antigos. A versatilidade do xmLibris tem permitido transferir o arquivo  modelo para uma plataforma que permite a visualização de acervos digitais de livros marcados a fogo nestas duas importantes bibliotecas de Puebla , principalmente, os livros das livrarias de ordens religiosas, instituições laicas, inclusive de indivíduos, que os possuíam.

XXXVII – Florida Memory – State Library and Archives of Florida 

Os Arquivos do Estado da Flórida são o repositório central dos registros do governo do estado da Flórida. Os Arquivos são obrigados por lei a coletar, preservar e disponibilizar para pesquisa os registros do estado da Flórida, bem como manuscritos particulares, registros do governo local, fotografias e outros materiais que complementam os registros oficiais do estado.
O Arquivo faz parte da Divisão de Biblioteca e Serviços de Informação (DLIS), que, além dos serviços de gerenciamento de arquivos e registros, fornece uma estrutura para iniciativas de bibliotecas em todo o estado e disponibiliza a história publicada e não publicada do estado. DLIS é uma das sete divisões do Departamento de Estado da Flórida.

XXXVIII – The Hesburgh Library University of Notre Dame.

O site apresenta coleções e exposições digitais sobre ampla gama temática. Seu acervo é composto por manuscritos, revistas, jornais, desenhos, pinturas entre outros documentos digitais, referentes a diferentes épocas e regiões do mundo.

XXXIX – The University of New Mexico University Libraries
New Mexico Digital Collections é o portal de busca central para coleções digitais sobre o Novo México. Um serviço das Bibliotecas da Universidade do Novo México, fornecemos acesso a fotografias digitalizadas, manuscritos, pôsteres, histórias orais, vídeos, mapas e-books de bibliotecas, museus e centros culturais em todo o estado.

XL – Baker Library Special Collections-Harvard University
Disponibiliza guias de coleções arquivísticas de fontes primárias, incluindo cartas, fotografias, filmes e vídeos, itens impressos, materiais digitais e objetos. É possível pesquisar materiais adicionais no catálogo da Biblioteca de Harvard.

XLIBiblioteca Digital Hispânica  – Biblioteca digital da Biblioteca Nacional da Espanha
Possui um acesso livre e aberto com  milhares de documentos digitalizados, incluindo livros impressos entre os séculos 15 e 20, manuscritos, desenhos, gravuras, brochuras, pôsteres, fotografias, mapas, atlas, partituras, imprensa histórica e gravações sonoras.

XLIIBiblioteca Digital Real Academia de la Historia 
Possui manuscritos, gravuras de inestimável valor científico, bibliográfico e documental que vão desde a alta Idade Média até os dias atuais, essenciais para o estudo e a pesquisa da história da Espanha e da América Hispânica. As obras incluídas nesta Biblioteca Digital podem ser consultadas livremente, mas é necessária autorização da Real Academia de la Historia para fazer o download das imagens, sejam elas para uso comercial ou para outros fins.

XLIII – Biblioteca Virtual del Ministerio de Defensa de España 
A Biblioteca Virtual de Defesa disponibiliza aos cidadãos reproduções digitais dos fundos mantidos em arquivos, bibliotecas e museus dependentes do Ministério da Defesa  da Espanha. Inclui livros e manuscritos impressos, materiais cartográficos, desenhos, fotografias, partituras, peças de museu e séries documentais relacionadas com diferentes expedições científicas (Malaspina, Índias, Pacífico), bem como publicações oficiais e científicas resultantes da atividade de publicação e divulgação do Ministério da Defesa.

XLIV – Hemeroteca Digital Histórica del Banco de la República de Colombia
A Biblioteca Virtual do Banco de la República, criada em 1997 pela Rede de Bibliotecas do Banco de la República, visa colocar à disposição do público materiais e informações, principalmente sobre a Colômbia ou autores colombianos, que podem ser consultados on-line. Contém materiais em diversos formatos, organizados em coleções temáticas. Nele você encontra livros, fotos, arquivos de som e vídeo, páginas interativas, exposições online, projetos temáticos e materiais educacionais.

XLV – Mediateca del Instituto Nacional de Antropología e Historia de México
É o repositório digital de acesso aberto do Instituto Nacional de Antropologia e História do México, por meio do qual disponibiliza ao público o patrimônio cultural e histórico sob sua responsabilidade. Possui coleções de Imagens, áudios, vídeo,  objetos, texto,  entre outros.

XLVI – Hathitrust Library – EUA
Fundada em 2008, a HathiTrust é uma colaboração sem fins lucrativos de bibliotecas acadêmicas americanas e de pesquisa, preservando mais de 17 milhões de itens digitalizados. Oferece acesso de leitura on-line em toda a extensão permitida pela lei de direitos autorais dos EUA, à pesquisas acadêmicas. A biblioteca tem o maior conjunto de livros digitalizados, gerenciados por bibliotecas acadêmicas e de pesquisa – com o objetivo de interesses acadêmicos, não corporativos.

XLVII –  Biblioteca do Congresso de Estados Unidos
A Biblioteca do Congresso Americano é reconhecidamente um dos maiores repositórios de fontes do mundo. Em relação ao Brasil, possui 90,735 itens on-line de diversos formatos: jornais, revistas periódicos, mapas, legislação brasileira, pinturas, e-books, filmes, vídeos, entre outros.

XLVIII – Centro de Investigaciones y Ediciones Históricas (CIEH) –  Memórias Históricas Eletrónicas (MHIEL) – México
Disponibiliza documentos, livros, artigos, ensaios, imagens e áudios, das histórias e processos sociais do México, América Latina e Espanha.

XLIX – Universidad Nacional de Colombia – Biblioteca UN
A Biblioteca Digital disponibiliza grande acervo sobre pesquisas científicas e acadêmicas produzidas pela Universidade Nacional da Colômbia por meio de dois sistemas de informação denominados: Repositório Institucional Universidade Nacional da Colômbia e Portal de Periódicos da Universidade Nacional da Colômbia.

L – Pandora Digital Primary Sources
Pandora é um projeto formado por alunos de doutorado de diferentes áreas e instituições, cujo ponto comum é a utilização de fontes digitais primárias para análises históricas. Esse projeto coletivo, coordenados por representantes do Brasil, Barcelona e Chile, visa divulgar recursos digitais disponíveis na web para facilitar o trabalho histórico em diferentes disciplinas.

LI – World Digital Libary Home
A Biblioteca Digital Mundial, um projeto da Unesco em parceria com outras 32 instituições, disponibiliza na Internet, gratuitamente e em formato multilíngue, importantes fontes provenientes de países e culturas de todo o mundo.

LII – Universidad Nacional de Colombia
Possibilita, de forma integrada, o acesso a recursos e serviços de informação, como suporte aos processos de formação, pesquisa e extensão da Universidade. Disponibiliza para consulta on-line dicionários, enciclopédias, e-books entre outros materiais.

LIII – Universidad Autónoma de Nuevo León – México
A Coleção Digital UANL é composta por documentos editados durante os séculos XVI a XIX, em espanhol, italiano, francês e latim, bem como as teses de pós-graduação (Mestrado, Especialidade e Doutorado) geradas na UANL e outros documentos de interesse de pesquisa. Os documentos fazem parte do acervo da biblioteca que possui a Biblioteca Universitária Raul Rangel Frias, Biblioteca Universitária Capilla Alfonsina, Centro Regional de Informação e Documentação em Saúde, Faculdade de Medicina e Biblioteca José Juan Vallejo da Faculdade de Direito e Criminologia

LIV – Wiley Digital Archives
Oferece conteúdo arquivado em uma plataforma avançada, projetada para potencializar a pesquisa, o apoio ao ensino e promover o aprendizado. Os usuários podem realizar pesquisas de conteúdo textual e visual por palavra, termo, formato e data em arquivos e disciplinas. Todos os resultados são classificados por tipo de conteúdo em galerias visuais fáceis de navegar. Possui jornais, livros e outros conteúdos digitais científicos, técnicos, médicos e acadêmicos on-line. Recentemente, passou a dispor em seu acervo de coleções históricas de diversas sociedades acadêmicas com mais de cinco milhões de documentos, abrangendo cerca de 700 anos de pesquisa em história das ciências, geografia, medicina, e antropologia social e cultural. A plataforma é paga, mas por causa do COVID19 eles estão abrindo o arquivo, que é excelente, até o final do ano (2020). Vale a pesquisa!

LV – Fundação Gulbenkian – Portugal
Fundação Calouste Gulbenkian disponibiliza online mais de cinco dezenas de títulos do seu acervo editorial que podem ser descarregados de forma gratuita. A iniciativa resulta de uma nova política da fundação que, tem como linha orientadora tornar acessível, a todo o público, clássicos da cultura mundial e também obras marcantes da cultura portuguesa. É possível acessar, por exemplo, obras de Platão, Thomas More, David Hume ou Edgar Allan Poe.

LVI – Facultad de Psicología – Universidad de Buenos Aires 
Disponibiliza Catálogos de História da Psicologia, uma Plataforma web para visualização de documentos e análises sobre o discurso psicológico e a institucionalização da psicologia na Argentina.

LVII – The University of Akron – The Drs. Nicholas and Dorothy Cummings Center for the History of Psychology (CCHP)- Ohio
Coleta, preserva, fornece acesso e interpreta o registro histórico da psicologia e ciências humanas relacionadas. O Centro abriga os Arquivos de História da Psicologia Americana, o Museu Nacional de Psicologia e o Instituto de Ciência e Cultura Humanas.

LVIII – Classics in the History of Psychology – Arizona State University 
Disponibiliza textos completos de um grande número de documentos de domínio público, historicamente significativos, da literatura acadêmica da psicologia e disciplinas afins. Existem agora mais de 25 livros e cerca de 200 artigos e capítulos online. O site também contém links para mais de 200 trabalhos relevantes publicados em outros sites.

LVIV – Biblioteca Nacional de Colombia
A plataforma que reúne todas as coleções e serviços digitais da Biblioteca Nacional. O patrimônio bibliográfico e documental constitui a memória histórica nacional que se materializa em documentos de caráter cultural, artístico, científico, político, religioso e social, preservados em múltiplas mídias, como: manuscritos, impressos, fotografias, gravuras, audiovisuais e material digital.

LVV – OhioLINK Finding Aid Repository
Disponibiliza acesso às coleções armazenadas em arquivos, bibliotecas e outras instituições em todo o estado de Ohio. O Repositório fornece acesso à coleções em ampla escala. É possível visualizar breves resumos de coleções ou o texto completo por meio dos recursos de busca, com palavras-chave de busca destacadas, além de  possibilitar que os usuários naveguem em todo o repositório, façam uma pesquisa focada em tópicos específicos ou limitem os resultados da pesquisa a uma instituição específica.

 

 

 

 

 

 

Vídeos – HSPsi

PERSIGUIENDO LA REVOLUCIÓN , MARIE LANGER, PSICOANÁLISIS Y SOCIEDADE

A história da psicanalista austro-argentina Marie Langer destaca a dificuldade de conciliar uma vocação “psi” com o ativismo político. Duas vezes no exílio, Langer trouxe as ferramentas críticas da psicanálise para os problemas sociais e individuais de seu tempo. Este filme documenta suas viagens por diferentes continentes e regimes ideológicos, com a ajuda de quem a conheceu e de quem seguiu seus passos.

Como citar: Persiguiendo La Revolución , Marie Langer, Psicoanálisis Y Sociedade. El documental participan los hijos de Marie Langer, la presidenta de la IPA y diversos historiadores del mundo psi, entre ellos el Director de nuestro Centro, Alejandro Dagfal. 55′ 45″.  Disponível em: http://www7.bbk.ac.uk/hiddenpersuaders/documentaries/chasing-the-revolution-spanish-version/?fbclid=IwAR1lV0Pz7Ue1FU0vCmvtBvzCAUXgB4HvfNydZrW4dWxU29qJqhav9KALCIk

HISTÓRIA, LOUCURA E MEMÓRIA: O ACERVO DO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO JULIANO MOREIRA

Informado pelos ideais dos movimentos sociais antimanicomiais e da reforma psiquiátrica, retrata a história do hospital psiquiátrico Juliano Moreira (fundado em 1937), na cidade de Belém do Pará. Com muitas fotografias, traz depoimentos de médicos e funcionários que reformaram o caráter da instituição, sobretudo a partir dos anos 1970 e 1980. Mostra as transformações no campo da saúde mental no Pará, a importância do enfoque da terapia ocupacional e da educação, o remodelamento da assistência em saúde mental com os CAPS e versa sobre a preservação documental na área.

Como citar: HISTÓRIA, loucura e memória: o acervo do hospital psiquiátrico Juliano Moreira. Direção de Reinaldo Mendes. Belém: prof. Erasmo Borges, 2013, 12’17’’, son., color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Z7RK1CjbySo. Acesso em 20 de fevereiro de 2019

 

COLÔNIA JULIANO MOREIRA

Matéria especial feita pelo repórter Samuel Wainer e o repórter cinematográfico Johnson Gouvêa para o programa Fantástico, da Rede Globo de Televisão, sobre a Colônia Juliano Moreira, em 1980. Eles percorreram toda a colônia durante cinco dias, registrando imagens que denunciavam a condição degradante em que os pacientes se encontravam – falta de médicos, maus tratos, instalações precárias, entre outros.

Como citar:  Colônia Juliano Moreira 01e 02 (9m 03s;9m02s) Reportagem, Samuel Wainer Filho, Imagens Johnson Gouvêa, edição e texto Maurício Tavares. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=-yl4AWJPdkc. Acesso em 07/11/2020.

 

COLÔNIA JULIANO MOREIRA – 80 ANOS – HISTÓRIA, POLÍTICA E LOUCURA.

Vídeo sobre a história da Colônia Juliano Moreira desde sua criação, em 1924, até 2004, abordando as transformações em relação aos conceitos psiquiátricos, aos tratamento dos pacientes e às políticas de saúde pelas quais instituição passou.

Como Citar: Núcleo de pesquisa Juliano Moreira. Colônia Juliano Moreira – 80 anos – História, política e loucura. Produção e texto: Lúcia abelha, Assistente de Produção, Maristela Vomero Dias, Realização: Lúcia Abelha, Circe de Abreu Barbosa, Maristela Vomero Dias, Denise Rebouças Barbosa, Letícia Legay, Sylvia Gonçalves e Troar Centro de Criação. 23m43s. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=lfthcmFmv6E . Acesso em 07/11/2020.

 

ESTAMIRA

Documentário relata a história de uma mulher que sofre de distúrbios mentais e passou parte da vida sobrevivendo num lixão no Rio de Janeiro. O filme, a partir do caso de Estamira, propõe uma reflexão sobre o sofrimento da  mulher negra, pobre e periférica, o tratamento psiquiátrico, sobre a saúde mental, entre outros aspectos sociais e de saúde que circundam a vida dela.

Como citar: Estamira – 1:52″. Roteiro: Marcos Prado. Produção: José Padilha. Disponível em:  <https://www.youtube.com/watch?v=ibuo079DGF8> .Acesso em 30/08/2020

 

SIGMUND FREUD – COMPILAÇÃO RARA NARRADA POR ANNA FREUD

Trata-se de uma compilação de vídeos caseiros feitos de Sigmund Freud e família, narrados por sua filha, Anna Freud. As imagens são de autoria de Mark Brunswick da Princesa Marie Bonaparte. Registradas entre 1930-39, mostram cenas da vida diária de Freud, como sua mãe em uma das rotineiras visitas de domingo, a festa de bodas de ouro do casal,  amigos do médico, fotografias da casa onde nasceu, a sala de espera do local de onde atendia os pacientes e que posteriormente foi a primeira sede da sociedade psicanalítica, entre outros registos que permitem conhecer um pouco mais da vida cotidiana do pai da psicanálise.

Como citar: Supervisão de Clifford Yorke e  da  Associação Americana de Psicanálise,  Suporte financeiro da New Land Foundation. 23’ 53¨. Disponível em:< https://www.youtube.com/watch?v=CM0SmZNarR8&fbclid=IwAR2oexuWYQDmANOJYyT1QYTSMWLvGH9ikiLddB1XLYwo60e_EnabFrQ2YKg> Acesso Em 17 de junho de 2020.

 

HISTORY OF PHILOSOPHY OF PSYCHIATRY

Trata-se de uma exposição de KWM “Bill” Fulford, Consultor Especial de Prática Baseada em Valores e Consultor Honorário de Psiquiatria para o Departamento de Saúde da Universidade de Oxford, sobre sua trajetória no campo de especialidade da filosofia da psiquiatria. Aborda também a chamada “Teoria dos Valores”.

Como citar: HISTORY of Philosophy of Psychiatry. Direção John Z. Sadler e Luke Oliver Mong. Oxford: San Pedro Productions, 2010, 62’57’’, son., color. Disponível em: https://vimeo.com/86892960. Acesso em 26 de janeiro de 2019.

 

MICHEL FOUCAULT PAR LUI MEME

Documentário sobre o pensamento do filósofo francês Michel Foucault (1926 – 1984), com suas interpretações fundamentais sobre as temáticas da história da loucura e dos saberes e práticas “psi”. O documentário usa fartamente das palavras do filósofo, nos seus textos e cursos, abordando também outras temáticas de interesse do mesmo ao longo de sua trajetória.

Como citar: FOUCAULT par lui meme. Direção de Phillippe Calderon e François Ewald. Paris: ARTE France/BFC Productions, 2003, 62’44’’, son., color. Disponível em:https://www.dailymotion.com/video/x2cn2u2. Acesso em 25 de janeiro de 2019.

 

HISTORY OF PSYCHIATRY 19TH CENTURY

Vídeo didático do Committee on History and Psychiatry of Group for Advancement of Psychiatry (GAP) sobre a história dos saberes e práticas psiquiátricas na Europa e nos EUA do século XIX. Traça os principais nomes da psiquiatria do período, suas obras, racionalidades diagnósticas e etiológicas, assim como as classificações, instituições e formas de tratamento. Aborda também alguns casos clínicos e forenses emblemáticos do oitocentos.

Como citar: HISTORY of Psychiatry 19th Century. Direção e produção de Committee on History and Psychiatry of Group of Avancement of Psychiatry (GAP). Texas, 2014, 31’44’’, son., color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=z6CqbjVe3EY. Acesso em 05 de fevereiro de 2019.

 

CESARE LOMBROSO, LEFT HANDEDNESS, AND DE CRIMINAL MIND

Exposição do Nat C. Robertson Distinguished, Professor Howard Kushner, sobre as ideias do psiquiatra e criminólogo italiano, Cesare Lombroso. O foco recai sobre os argumentos e a racionalidade que levou Lombroso a estabelecer uma relação entre canhotismo e comportamento criminal.

Como citar: CESARE Lombroso, Left Handedness, and de Criminal Mind. Direção e produção de The Academic Exchange and University Technology Services (Emory University). Atlanta, 2012, 2’25’’, son., color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=HmdAYqqc8gc. Acesso em 5 de fevereiro de 2019.

 

REFLECTIONS ON THE PHENOMENOLOGICAL PSYCHIATRY KARL JASPERS

Exposição da Dr. Aicha Hind Rifai, psiquiatra e professora da Weil Cornell Medicine, em encontro organizado pelo PsychSIG (Psychiatry Student Interest Group), sobre a relevância da filosofia para a prática e o pensamento psiquiátrico. Mostra as contribuições de Karl Jaspers, principalmente as suas preocupações existencialistas com a experiência subjetiva dos pacientes para a construção diagnóstica e terapêutica da psiquiatria, o impacto da fenomenologia jasperiana nos campos da psiquiatria, da psicoterapia e da filosofia europeias.

Como citar: REFLECTIONS on the Phenomenological Psychiatry Karl Jaspers. Direção de Psychiatry Student Interest Group. 2017, 60’56’’, son., color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=BH3c2k7_FWA. Acesso em 19 de fevereiro de 2019.

 

HEREDITY IN MAN

Trata-se de um filme de época (1937) de propaganda do movimento eugênico inglês. Documento histórico interessante, traz explicações sobre a transmissão hereditária de traços físicos e mentais considerados “bons” e “ruins”. O eugenista Julian Huxley enfatiza a importância da compreensão e divulgação das leis da hereditariedade na prevenção da degeneração da raça, bem como do estímulo ao casamento de indivíduos considerados superiores e saudáveis do ponto de vista físico e mental para a mesma finalidade.

Como citar: HEREDITY in man. Direção de J.V. Durden e Julian Huxley. Londres: Gaumont British Instructional and Eugenics Society, 1937, 13’27’’, son., preto e branco. Disponível em: https://collections.nlm.nih.gov/catalog/nlm:nlmuid-101514101-vid. Acesso em 19 de fevereiro de 2019.

 

PREFRONTAL LOBOTOMY IN THE TREATMENT OF MENTAL DISORDERS

Registro de época (1942), da Psychological Cinema Register of Pennsylvania State College, concebido pelo psiquiatra norte americano Walter Freeman, este filme descreve e demonstra o processo da lobotomia pré-frontal, procedimento cirúrgico utilizado como terapêutica das doenças mentais ao longo das décadas centrais do século XX. O filme explica por escrito e com demonstração anatômica as razões neurológicas do procedimento e apresenta uma operação em um paciente vivo.

Como citar: PREFRONTAL lobotomy in the Treatment of Mental Disorders. Direção de Walter Freeman e James W. Watts. Washington: Psychological Cinema Register of the Pennsylvania State College, 1942, 12’33’’, son., color. Disponível em: https://collections.nlm.nih.gov/catalog/nlm:nlmuid-8800490A-vid. Acesso em 18 de fevereiro de 2019.
ELECTROSHOCK THERAPY (CIRCA 1940’S)

Registro de época (cerca de 1940) sobre os Tratamentos Físicos de Saúde Mental.  Mostra como a eletroconvulsoterapia (ECT), anteriormente conhecida como terapia de eletrochoque e muitas vezes referida como tratamento de choque, tratamento psiquiátrico padrão no qual as convulsões são induzidas eletricamente em pacientes para proporcionar alívio de doenças psiquiátricas.

Como citar: ELECTROSHOCK Therapy (circa 1940’s). Film licensed for use witch Ronal J. Comer’s Abnormal Psychology or Fundamental of Abnormal Psychology W.H. Freeman and Company. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Wtx5wQ0pkzI . Acesso em 3 de junho de 2019.

 

 MÉDICO PSIQUIATRA QUE SE OPÔS AO RACISMO CIENTÍFICO: JULIANO MOREIRA

Vídeo da série “Cientista do Brasil que Você Precisa Conhecer” do Jornal Nexo apresenta a trajetória deste pesquisador, um dos mentores da psiquiatria moderna no Brasil, que humanizou o tratamento de doentes mentais na virada do século 20. O filme retrata que os estudos de Juliano Moreira, um dos raros psiquiatras negros, não se limitou aos avanços clínicos, eles também carregavam um discurso social que combatia algumas crenças da psiquiatria brasileira, se opondo ao racismo científico, defendido por muitos de seus pares à época.

Como citar: O MÉDICO psiquiatra que se opôs ao racismo científico: Juliano Moreira. Edição-Executiva José Orenstein. Produzido por Ricardo Monteiro, realizado por Jornal Nexo com apoio do Instituo Serrapilheira, 2019. 5’30”. Disponível em: https://m.youtube.com/watch?v=agXtE30jSs0&feature=youtu.be. Acesso em 10 de julho de 2019.

 

FREUD, SIGMUND–HOME MOVIES FROM FREUD ARCHIVES, 1937-1938 / SIGMUND FREUD–HOME MOVIES

O filme foi feito em maio de 1939, no dia da comemoração daquele que seria o último aniversário de Freud, e mostra os preparativos antes da festa, incluindo Paula Fichtl amarrando colares decorativos e mensagens em volta do pescoço de seus dois cachorros. Uma mesa está preparada para guardar presentes e lembranças. Outras cenas acontecem durante a festa. Os familiares e convidados se misturam e conversam, entre eles: Anna Freud, Martha Freud, Minna Bernays, Ernst L. Freud e sua esposa Lucie, Martin Freud, princesa Marie Bonaparte, Dorothy T. Burlingham, Paula Fichtl e vários netos.

Como citar: Bonaparte, M. (1939) Home movies from Freud Archives, –Sigmund Freud–home movies. [Video] Retrieved from the Library of Congress, https://www.loc.gov/item/2018601155/. Disponível em https://www.loc.gov/item/2018601155/?fbclid=IwAR3KUORgL2u5iELAIWpMQK2vXZoBsBSl_4a7vA-Hs8tCeoVDYULWNkqaDxk. Acesso em 25/10/2019.

 

HANNAH ARENDT ENTREVISTADA POR ROGER ERRERA (1973)

Em uma entrevista de 50 min , dividida  em quatro partes,  Hannah Arendt, que então lecionava filosofia política na universidade de Nova York,  discorre sobre diversos aspectos da vida americana contemporânea,  comparando seu sistema  político e aspectos culturais com a Europa ocidental.

Com citar: Le servisse de la recherche de L´O. R.T.F, Sèrie “Un cetain Regard”, Hannah Arendt, Émission préparée par  Roger Errera, realisée par Jean-Claude Lubtchansky. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Qa311ZmYuxY&feature=youtu.be&fbclid=IwAR0hcNxkHE2FEzMFcDChDsieaKDBw9cAv5N_BeXs-CgZyFS4ZtSOfZasf-s – Acesso em 25/10/2019.

 

SPIRITS OF ENVY

O documentário retrata diferentes modos de se compreender a loucura e outros sofrimentos físicos e / ou mentais. Com este objetivo, apresenta ao público o santuário sufi de Mira Datar, em Gujarat / Índia,  buscando chamar atenção para o modo como ali se trata pessoas que sofrem uma crise compreendida em termos de efeitos de paixões humanas, como inveja e ódio, assim como sobre as práticas de magia negra e bruxaria.  O filme apresenta  as ideias, ações e experiências de especialistas em santuários e de peregrinos do sofrimento.

Como citar: Direção e produção de Helene Basu, 2012. 86’8’’.   Disponível em:  https://www.cultureunplugged.com/documentary/watch-online/play/54890/Spirits-of-Envy

 

THE MODERN WORLD GENIUS EPISODE 3 -SIGMUND FREUD

O documentário sobre Sigmund Freud é o terceiro e último episódio da série Genius of the Modern World, uma coprodução da OU com a BBC, apresentado pela historiadora Bettany Hughes, produzido em 2016 e difundido, originalmente, pela BBC FOUR. https://www.bbc.co.uk/programmes/b07gpjmm

O vídeo explora o processo de produção, circulação e recepção da teoria psicanalítica e das técnicas terapêuticas associadas, entremeando aspectos da vida de seu autor e principais interlocutores. O caráter didático e introdutório é reforçado pelo recurso à filmagem em diferentes cenários que compuseram a experiência pessoal e profissional do personagem, intercalado com entrevistas com especialistas e registros familiares raros. Dessa forma, a narrativa costura o desenvolvimento das ideias psicanalíticas com episódios pessoais e profissionais vividos por Freud, tendo como pano de fundo a sequência dos acontecimentos dramáticos que marcam a crise do capitalismo liberal, as duas guerras mundiais e a emergência dos regimes totalitários no ambiente europeu. São enfatizados tanto o caráter inovador e subversivo das teses freudianas, em seu tempo, bem como sua presença no panorama cultural da atualidade.

Como citar: The Modern World Genius Episode 3 – Sigmund Freud. Coprodução da OU com a BBC, apresentado pela historiadora Bettany Hughes, produzido em 2016 e difundido, originalmente, pela BBC FOUR. Disponível em https://www.dailymotion.com/video/x65lxyp. Acesso em 04 de janeiro de 2020.

Vídeos

Veja como era uma das colônias que abrigava vítimas de hanseníase

https://youtu.be/ddPjBc_h9lY

Instrução aos Autores

ÍNDICE

Págs.

I OBJETIVO                                  

02

II POLÍTICA DE PUBLICAÇÃO

02

III PREPARAÇÃO DE CONTEÚDO PARA A BVS TEMÁTICA

03

3.1 Seção de profissionais que atuaram no Hospital Nacional dos Alienados

03

3.1.1

Preparação dos verbetes

03

3.1.2 Informações pessoais

04

3.1.3 Informações acadêmico-profissionais

05

3.1.4 Trajetória profissional

05

3.1.5 Produção técnico-administrativa e manuscritos 

05

3.1.6 Produção acadêmica

06

3.1.7 Foto e assinatura

06

3.1.8 Referências bibliográficas

08

3.1.9 Instruções de envio

08

3.1.10 Avaliação ad-hoc

09

3.1.11 Dicas de fontes de pesquisa e orientações que podem ajudar a localizar dados do biobibliogrado.

10

3.2 Seção de vídeos resultantes de pesquisas sobre história loucura e dos saberes Psi

11

3.3 Seção de depoimentos orais sobre história da loucura e dos saberes Psi

11

3.4 Seção de Projetos, Relatórios e Produções Acadêmicas

11